Rússia envia bombardeiros Tu-22M3 e Iskanders para a Crimeia em resposta aos lançadores de mísseis dos EUA na Romênia

O bombardeiro estratégico transportador de mísseis Tu-160 'Nikolai Kuznetsov' à esquerda, e um bombardeiro de longo alcance de mísseis Tu-22MZ durante o ensaio da parte aérea da Parada da Vitória em Moscou. © Sputnik / Vladimir Astapkovich

A Rússia destacou bombardeiros estratégicos e sistemas de mísseis Iskander na Crimeia para enfrentar unidades antimísseis dos EUA na Romênia, disse um importante senador. Isso permitirá que o país responda a qualquer ameaça vinda do território europeu.

A instalação dos sistemas de lançamento de mísseis americanos MK-41 na Romênia se tornou um "sério desafio" para a Rússia, disse Viktor Bondarev, chefe do Comitê de Defesa e Segurança do Conselho da Federação Russa.

Mas a resposta apropriada já foi formulada, com o "Ministério da Defesa da Rússia tomando a decisão de instalar esquadrões de mísseis de longo alcance Tu-22M3 na Crimeia, na base aérea da cidade de Gvardeysk".

Os sistemas de mísseis de última geração da Rússia, incluindo S-300 e S-400, Buk-M2, Pantsir-S1 e duas modificações de Iskander [com capacidade nuclear], também estão estacionados na península, acrescentou.

https://cdni.rt.com/files/2017.09/article/59bab431fc7e93d56c8b4568.jpg
Plataforma lançadora de mísseis balísticos Iskander-M. © Olga Sokolova / Global Look Press

Os Tu-22M3 na Crimeia serão modernizados e equipados com novos armamentos nos próximos anos, o que lhes permitirá “entregar ogivas a qualquer ponto da Europa, atingindo qualquer tipo de instalações inimigas antimísseis ou de defesa aérea”. Disse Bondarev, que era o comandante da Força Aérea da Rússia em 2012-15.

A declaração do senador foi feita no dia em que a população da Crimeia comemora cinco anos desde a sua reunificação com a Rússia.

Os EUA implantaram unidades antimísseis na Romênia em 2016 e iniciaram a construção de outro local na Polônia no mesmo ano. Washington afirmou que isso era necessário para combater os mísseis balísticos desenvolvidos pelo Irã e pela Coreia do Norte, mas a Rússia condenou esses passos como uma grave ameaça à sua segurança nacional.

Moscou insistiu que os lançadores MK-41 na Romênia poderiam ser usados ​​para disparar mísseis de cruzeiro Tomahawk de médio alcance, que foram proibidos pelo marco do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF), sem qualquer modificação.

Em fevereiro, os EUA anunciaram sua retirada unilateral do INF, deixando Moscou sem outra opção senão também suspender sua participação no acordo bilateral de 1987.

Washington havia repetidamente culpado a Rússia por violar o acordo, entre outras coisas reclamando do míssil de cruzeiro 9M729 usado pelos sistemas Iskander-M.

Moscou negou as alegações infundadas, dizendo que as declarações americanas eram necessárias para desviar a atenção de seu próprio descumprimento do acordo.

18 Mar, 2019 18:06 Fonte RT

Postar um comentário

0 Comentários