China critica Pompeo e adverte contra 'comportamento agressivo' no Ártico

In this Dec. 17, 2005 file photo released by Xinhua News Agency, members of the Chinese Antarctica Research Team wait for the arrival at the continent on board of the polar expedition ship Xuelong
© AP Photo / Zhang Zongtang/Xinhua News Agency
Falando antes da reunião do Conselho do Ártico no outro dia, Mike Pompeo argumentou que o "o padrão de comportamento agressivo da China em outros lugares deve indicar o que faremos e como será tratado o Ártico", que é abundante em uma variedade de recursos naturais. Os comentários provocaram uma dura reação de altos funcionários chineses.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Geng Shuang, revidou os interesses dos EUA no Ártico, afirmando que o secretário de Estado Mike Pompeo havia deturpado as intenções do país do Leste Asiático na região rica em recursos devido a "segundas intenções".

"Não temos cálculos geopolíticos e não buscamos blocos excludentes", disse ele, ressaltando que a China tem participado dos assuntos do Ártico com "uma atitude aberta, cooperativa e ganha-ganha". Ele afirmou que, embora a China "não intervenha" em assuntos entre os países do Ártico, também não se absterá de resolver questões globais relacionadas ao Ártico.

"A questão do Ártico não está relacionada apenas aos países do Ártico, mas também tem significado global e influência internacional", disse Geng, acrescentando que a China está disposta a unir esforços para "proteger o Ártico, explorar o Ártico e participar do a governança do Ártico”.

Na véspera da reunião de oito membros do Conselho Ártico na Finlândia na segunda-feira, Pompeo anunciou os planos dos EUA de dobrar sua presença no Ártico para combater Rússia e China.

"Só porque o Ártico é um lugar selvagem não significa que ele deva se tornar um lugar sem lei", disse o secretário.

O principal diplomata americano alertou sobre os cenários em que os países se envolvem em dívidas e corrupção, alertando para investimentos de baixa qualidade e exploração descontrolada de recursos naturais, referindo-se aos já citados como potenciais efeitos da China ganhar uma posição firme na região.

A China, que injetou um investimento de US$ 90 bilhões (R$ 358,4 bilhões em cotação atual) no Ártico entre 2012 e 2017, segundo Pompeo, na região gelada, tem status de observador no órgão de cooperação do Conselho do Ártico, ao contrário dos EUA e Rússia, que atualmente são membros do Conselho. Washington expressou repetidamente preocupações sobre Pequim tentando se posicionar como um “estado próximo ao Ártico”. No documento da Política Ártica da China em 2018, o país diz planejar participar ativamente dos assuntos do Ártico e atuar como um dos principais interessados ​​na região.

12:55 07.05.2019(atualizado 12:59 07.05.2019) Sputnik

Postar um comentário

0 Comentários