EUA e Reino Unido podem perder base militar estratégica no oceano Índico

Diego García - o maior atol do arquipélago de Chagos em que se localiza a base militar dos EUA
© flickr.com / Jennifer

Washington e Londres podem perder o controle sobre um arquipélago estrategicamente importante no oceano Índico, onde se localiza uma base militar norte-americana. O assunto será resolvido em votação na Assembleia Geral da ONU em 22 de maio.

Trata-se do arquipélago de Chagos que atualmente é considerado um território pertencente ao Reino Unido. Vale destacar que é também o local onde se situa a base militar norte-americana de Diego García, usada por bombardeiros em missões de longo alcance.

Segundo escreve o jornal The Guardian, Washington e Londres podem enfrentar uma derrota diplomática nas Nações Unidas, uma vez que se espera que a Assembleia Geral vote esmagadoramente a favor da entrega por Londres desse território à República de Maurício.

A missão de Maurício na ONU espera vir a ter o apoio de mais de 100 Estados-membros. No entanto, Washington e Londres fazem lobby com vista a proteger os seus interesses.

Segundo sugeriu o embaixador das Ilhas Maurício na ONU, Jagdish Koonjul, este esforço de lobby deverá fracassar e grande parte da Europa poderá se abster ou votar a favor de Maurício.

"Espero que vários países europeus defendam o primado da lei e demonstrem que valorizam e respeitam as instituições que os próprios Estados-membros criaram", disse Koonjul.

O Reino Unido tomou posse do Arquipélago de Chagos em 1814 e permaneceu nas ilhas após a independência das Ilhas Maurício em 1968, supostamente por meio de coerção sobre os líderes que alcançaram a independência. Três anos antes, Londres arrendou secretamente uma das ilhas, Diego García, aos Estados Unidos na qualidade de base militar.

Os habitantes das ilhas foram desalojados à força e continuam há décadas realizando campanha por seu retorno à terra natal.

A resolução elaborada pelas Ilhas Maurício — a ser votada na Assembleia Geral — exige que o Reino Unido renuncie ao controle no prazo de seis meses e coopere no retorno dos chagossianos e outros cidadãos de Maurício ao arquipélago.

A República de Maurício propôs um contrato de longo prazo a Washington e Londres, mas os dois países aliados rejeitaram a oferta, argumentando que este documento não exclui o veto de Maurício sobre operações militares futuras e o arrendamento de atóis a outras potências, em particular à China.

03:27 22.05.2019 Sputnik

Postar um comentário

0 Comentários