Pilotos turcos podem não treinar no F-35 devido ao acordo com o S-400

[© Facebook] Luke AFB, Arizona-56th Fighter Wing

De acordo com um novo relatório, os pilotos turcos poderão ser excluídos de participarem no programa de treinamento do F-35, em mais uma tentativa de Washington de forçar seu aliado da Otan a sair do acordo S-400 com a Rússia.

Os EUA estão "pensando seriamente em suspender o treinamento de pilotos turcos em jatos avançados F-35", disseram duas fontes anônimas à Reuters na terça-feira, sem dar detalhes se a decisão já foi tomada.

Atualmente quatro pilotos turcos e 47 militares estão estacionados na Base Aérea de Luke, no Arizona, onde estão sendo treinados a lidar com os jatos furtivos de quinta geração. No entanto, Ancara também tem seus recrutas treinando na Rússia para o uso dos sistemas de defesa aérea S-400, cujas primeiras unidades estão programadas para serem entregues à Turquia no verão.

O governo do presidente Recep Erdogan afirma que precisa dos F-35 e dos sistemas russos S-400 para proteger sua soberania na região problemática. Os EUA, no entanto, continua com a sua queda de braço, tentando forçar Ankara a desistir do acordo de defesa de US$ 2,5 bilhões com Moscou.

A Turquia encomendou 100 unidades do F-35 e continua insistindo que os caças furtivos devem ser entregues, especialmente porque Ancara investiu US$ 1,25 bilhão no programa de trilhões de dólares, produzindo partes da fuselagem, trem de pouso e visores do cockpit para os jatos.

Insistindo que um bom parceiro da OTAN deveria comprar apenas armas aprovadas pelos EUA, Washington anunciou a interrupção da entrega de equipamentos relacionados ao F-35 para a Turquia no final de março. Ancara disse na semana passada que estava se preparando para as potenciais sanções dos EUA que Washington ameaçou impor sob o Ato de Combate aos Adversários da América Através de Sanções (CAATSA).

A Lockheed Martin transferiu cerimonialmente os dois primeiros caças F-35 para a Turquia em junho do ano passado e outros dois em abril, mas os aviões ainda não saíram do país. Ancara esperava transferir os jatos, que ainda estão na Base Aérea de Luke, para a base aérea de Malatya, na Turquia, em novembro.

29 maio, 2019 00:15 RT

Postar um comentário

0 Comentários