Lavrov a Pompeo: Interferência dos EUA contra a Venezuela trará sérias consequências

Russian Foreign Minister Sergey Lavrov speaks on the phone
Mais cedo, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, reiterou as ameaças anteriores dos EUA de usar a força armada na Venezuela para derrubar o governo democraticamente eleito "se isso for necessário".

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, advertiu seu colega americano, Mike Pompeo, que a continuação dos "passos agressivos" dos EUA em direção à Venezuela trará "sérias conseqüências".

"Foi indicado que a continuação de medidas agressivas é carregada das conseqüências mais sérias. Somente o povo venezuelano tem o direito de determinar seu destino, para o qual o diálogo entre todas as forças políticas do país é necessário e para o qual o governo tem longo A pressão destrutiva de fora, especialmente a força, não tem nada a ver com o processo democrático ", disse Lavrov, de acordo com uma declaração resumindo suas observações publicadas no site do Ministério das Relações Exteriores da Rússia.

Lavrov falou a Pompeo por telefone na quarta-feira, um dia depois que o líder da oposição venezuelana, Juan Guaido, anunciou o início da "fase final" na tentativa da oposição de tomar o poder no país latino-americano.

O telefonema foi solicitado pelo lado dos EUA, com outras questões, incluindo futuros contatos diplomáticos russo-americanos, e a situação humanitária na Síria também abordada, de acordo com o Ministério das Relações Exteriores.

Mais cedo, o secretário Pompeo disse que, embora os EUA prefiram ver uma "transição" pacífica na Venezuela, isso não tiraria a opção militar da mesa. "A ação militar é possível. Se isso é o que é necessário, é o que os Estados Unidos farão", disse Pompeo. Mais cedo, o Ministério do Exterior russo rejeitou a alegação de Pompeo de que Moscou supostamente convenceu o presidente Nicolas Maduro a não fugir de seu país para Cuba. A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Maria Zakharova, chamou a alegação de "fake", que era apenas parte da guerra de informação dos EUA contra o país latino-americano. As autoridades venezuelanas também rejeitaram a alegação de Pompeo como "notícias falsas", acrescentando que demonstraram o fracasso da "tentativa de golpe apoiada pelos EUA".

Na terça-feira, a oposição da Venezuela se reuniu em Caracas, conclamando os militares a se juntarem a eles para a "fase final" de sua campanha "Operação Liberdade" para derrubar o governo de Maduro. Os confrontos entre a oposição e as forças de segurança deixaram pelo menos 69 pessoas feridas e levaram o presidente Maduro a anunciar na televisão que ele havia indicado procuradores para investigar uma tentativa de golpe no país.

O deputado da Assembleia Nacional, Juan Guaido, proclamou-se presidente interino da Venezuela em 23 de janeiro, duas semanas após a posse do presidente Maduro para um segundo mandato após as eleições de maio de 2018. Guaido foi imediatamente reconhecido pelos EUA e seus aliados latino-americanos e europeus, além do Canadá. enquanto a Rússia, a China e dezenas de outros países expressaram seu apoio a Maduro, ou pediram a não-interferência nos assuntos internos da Venezuela.

19:01 01.05.2019(atualizado 19:38 01.05.2019) Sputnik

Postar um comentário

0 Comentários