Trump contradiz as reivindicações de Pompeo e Bolton na Venezuela após convocação com Putin

From left, National Security Adviser John Bolton, accompanied by Secretary of State Mike Pompeo, and President Donald Trump
© AP Photo / Andrew Harnik

A pouco, Moscou rejeitou as alegações "surreais" do secretário de Estado Mike Pompeo sobre "interferência russa" na América Latina, dizendo que era uma "posição de princípio" da Rússia não interferir nos assuntos de outras nações.

O presidente Donald Trump pareceu contradizer as alegações de seus altos funcionários sobre o "envolvimento" russo na Venezuela na sexta-feira após sua conversa telefônica com o presidente russo, Vladimir Putin.

"Nós conversamos sobre muitas coisas. A Venezuela era um dos tópicos. E ele não está preocupado em se envolver na Venezuela, além de gostar de ver algo positivo acontecer para a Venezuela. E eu sinto o mesmo", disse Trump. disse, falando aos repórteres em Washington na sexta-feira durante uma reunião com o primeiro ministro eslovaco.

Segundo Trump, os EUA queriam ajudar a Venezuela em uma "base humanitária", inclusive com a entrega de alimentos e água para a população "faminta" do país. "Eu pensei que era uma conversa muito positiva que tive com o presidente Putin sobre a Venezuela", disse Trump.

As declarações de Trump pareciam estar em desacordo com as alegações anteriores de vários de seus principais funcionários, incluindo o Secretário de Estado Mike Pompeo e o Conselheiro de Segurança Nacional, John Bolton, sobre a alegada "interferência" russa na Venezuela.

Na quarta-feira, Pompeo teve uma conversa telefônica com o chanceler russo, Sergei Lavrov, dizendo-lhe que a Rússia não deveria "interferir" no país latino-americano. Lavrov chamou as acusações de envolvimento russo de "bastante surrealistas" e disse que a "posição de princípio" da Rússia era "nunca interferir nos assuntos dos outros".

Mais cedo, Bolton alertou os países "externos ao Hemisfério Ocidental", incluindo a Rússia contra o envio de forças militares à Venezuela, e sinalizou a prontidão da administração dos EUA para usar a Doutrina Monroe em sua política para a América Latina. O representante especial dos EUA na Venezuela, Elliott Abrams, também indicou que os EUA podem impor sanções contra a Rússia por causa da ajuda militar de Moscou à Venezuela, dizendo aos repórteres que "os russos pagarão um preço por isso" por sua interferência no começo deste ano.

Pompeo, Bolton e o secretário interino da Defesa, Patrick Shanahan, se reuniram no Pentágono na sexta-feira para discutir opções militares na Venezuela, com Shanahan reiterando a afirmação repetida da Casa Branca de que todas as opções permaneceram "na mesa" para resolver a crise venezuelana e desconsiderar preocupações sobre a falta de boa inteligência sobre o país venezuelano.

Na sexta-feira, fontes anônimas disseram à CNN que o presidente Trump fez perguntas "sobre a confiabilidade da inteligência dos EUA" sobre a Venezuela, já que o esperado levante militar do líder da oposição Juan Guaido "e algumas autoridades americanas" não teve êxito.

A crise de longa data na Venezuela aumentou na terça-feira, depois que Guaido anunciou o início da "fase final" da campanha "Liberdade de Operação" para derrubar o governo, e instou os militares a desertarem e se juntarem à oposição. O apelo à ação levou a confrontos na capital entre as forças de segurança e a oposição, deixando dezenas de feridos. Um dia depois, Maduro apareceu na televisão para anunciar que o golpe havia falhado, e para dizer que uma investigação criminal com o objetivo de descobrir seus organizadores havia sido lançada.

13:22 04.05.2019(atualizado 13:27 04.05.2019) https://sptnkne.ws/muA2

Postar um comentário

0 Comentários