Vladimir Putin ordena aumentar Forças Aeroespaciais russas

Russian President Vladimir Putin on the site of the inspection of aircraft during a visit to the Kazan Aviation Plant named after S. P. Gorbunov
© Sputnik/ Alexey Nikolsky

O presidente russo ressaltou que a decisão dos EUA de retirar-se do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF) em 2019 deve ser levada em consideração ao se discutir o futuro das forças armadas do país.

O presidente Vladimir Putin ordenou o incremento das Forças Aeroespaciais russas, definindo a criação de defesas contra armas hipersônicas como uma das principais prioridades da divisão. O presidente instruiu especificamente que tais sistemas de defesa sejam desenvolvidos e adotados antes de qualquer outro estado que se arme com armas hipersônicas. Ele acrescentou que a importância das forças aeroespaciais irá aumentar no futuro próximo.

"Nós sabemos com certeza que neste momento apenas a Rússia possui armas [hipersônicas]. Mas também entendemos que os principais estados do mundo obterão essas armas mais cedo ou mais tarde. Será melhor para todos nós que isso fique 'mais tarde' para eles", disse Putin.

O presidente sublinhou ainda que, no desenvolvimento, as Forças Armadas russas levariam em consideração as mudanças na esfera política, a saber, a decisão de Washington de retirar-se do tratado INF, anunciado em fevereiro de 2019.

O presidente russo também apontou as últimas conquistas das Forças Aeroespaciais russas, como a realização de testes para o mais recente sistema de defesa aérea S-350E "Vityaz", enfatizando sua maior eficácia contra armas de ataque de precisão e maior capacidade de mísseis. Putin também observou que os sistemas modernos representam 82% de todos os armamentos nas forças estratégicas da Rússia.

Os EUA anunciaram sua retirada do Tratado INF em fevereiro de 2019, após numerosas tentativas de Moscou de dissuadir os Estados Unidos de tomarem tal decisão. Washington afirma que a Rússia violou algumas das disposições do acordo testando um míssil dentro do alcance proibido. A Rússia convidou os EUA para uma demonstração do míssil em questão para mostrar que está em total conformidade com o Tratado INF, mas o evento nunca foi assistido por representantes dos EUA.

O Tratado INF foi assinado pela União Soviética e pelos Estados Unidos em 1987, proibindo todos os mísseis balísticos e de cruzeiro lançados no solo, que operam em alcance entre 500 e 5.500 quilômetros.

21:11 13.05.2019(atualizado 22:06 13.05.2019) Sputnik

Postar um comentário

0 Comentários