Taiwan encomenda dos EUA US$ 2 bilhões em tanques e mísseis e negociação irrita Pequim


[© Sputnik / Sergei Melkovonov] Tanques M1Abrams da OTAN (foto de arquivo)

Taiwan confirmou nesta quinta-feira (6) que pretende comprar tanques e mísseis antitanque de última geração dos Estados Unidos. A negociação gerou uma repreensão da China.

O Ministério da Defesa de Taipei pediu formalmente 108 tanques de batalha M1A2 Abrams, mais de 1.500 mísseis antitanque Javelin e TOW e 250 mísseis antiaéreos Stinger.

A solicitação estava prosseguindo "normalmente", acrescentou o ministério.

O governo dos EUA deu ao Congresso uma notificação informal de seu plano para vender o equipamento em um acordo de US$ 2 bilhões, informou a Bloomberg News.

Pequim disse ter "preocupações sérias" sobre a venda.

"Temos repetidamente enfatizado aos Estados Unidos que entendam totalmente a natureza extremamente sensível e prejudicial de sua decisão de vender armas para Taiwan" disse Geng Shuang, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, em coletiva de imprensa nesta quinta-feira (6).

Geng disse que o princípio da "China Única" deve ser respeitado.

Taiwan foi governada separadamente desde o fim de uma guerra civil em 1949, mas a China ainda a vê como seu território e prometeu tomar a ilha à força se necessário.

Pequim intensificou significativamente a pressão diplomática e militar em Taipei desde a posse do presidente Tsai Ing-wen, em 2016. Ele é adota uma postura mais crítica com Pequim do que seus antecessores.

A China ordenou exercícios militares perto da ilha e reduziu constantemente o número já pequeno de nações que reconhecem Taiwan.

Os Estados Unidos trocaram o reconhecimento diplomático de Taiwan pelo da China em 1979, mas Washington continua sendo o principal aliado não oficial de Taipei e tem uma obrigação congressional de vender armas para Taiwan - regra que constantemente abala sua relação com Pequim.

Nos últimos anos, Washington tem tido cautela em fazer vendas de armas de grande porte para Taiwan, com medo de alimentar a ira da China.

Mas o presidente Donald Trump procurou fortalecer os laços com Taipei e parece mais disposto a vender armamentos.

10:12 06.06.2019 Sputnik

Postar um comentário

0 Comentários