Coreia do Sul dispara tiros de advertência contra bombardeiros russos


De acordo com o Gabinete do Estado-Maior da Coréia do Sul, os aviões de combate da Força Aérea da Coréia do Sul supostamente dispararam um total de 20 foguetes de sinalização e fizeram cerca de 360 ​​tiros de advertência.

O incidente ocorreu na área das Ilhas Dokdo (também conhecidas como Liancourt na Rússia e ilhas Takeshima no Japão). A distância entre eles e o avião russo naquele momento era de cerca de um quilômetro.

China e Japão já condenaram o incidente

Representantes do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês indicaram que a zona de identificação da defesa aérea sul-coreana não é considerada o seu espaço aéreo. Portanto, aeronaves de todos os países podem voar livremente por lá. Ao mesmo tempo, Yoshihide Suga, Secretário Geral do Gabinete de Ministros do Japão, indicou que as ações de Seul na área das ilhas, que Tóquio considera serem suas, eram inaceitáveis ​​e extremamente lamentáveis.

Porta-vozes do Ministério da Defesa russo disseram que os bombardeiros de mísseis estratégicos Tu-95MS estavam fazendo um voo de rotina e não violaram a fronteira. Ao mesmo tempo, os caças sul-coreanos F-16 apenas dispararam armadilhas de calor e voaram para longe sem dar nenhum tiro de advertência, indicaram as autoridades russas.


Em 23 de julho, foi relatado que um total de cinco aeronaves voaram para a zona de identificação de defesa aérea sul-coreana: três aeronaves da Rússia e duas da China. Um dos aviões russos violou a fronteira do país duas vezes, permanecendo no espaço aéreo sul-coreano por três minutos em cada uma dessas vezes.

A zona sul-coreana de identificação de defesa aérea cobre parcialmente a área pertencente ao espaço aéreo internacional. A Rússia indica que isso é contrário às regras internacionais, e a Rússia não a reconhece.

O pequeno grupo de ilhotas Liancourt está localizado no Mar do Japão. Este território tem sido uma questão de disputa territorial entre Seul e Tóquio desde o final da Segunda Guerra Mundial em 1945, quando a Coréia deixou de ser uma colônia japonesa.

Traduzido por Pacto de Varsóvia.

23.07.2019 13:46 Pravda

Postar um comentário

0 Comentários