F-117A entra para o esquadrão dos 'Agressores furtivos'



O caça furtivo F-117A Nighthawk, o primeiro avião furtivo projetado do mundo, foi recentemente avistado nos céus do Vale da Morte, na Califórnia. 

O caça, parte de uma frota de jatos aposentados em 2008, ostentava uma nova pintura de camuflagem e era acompanhado por um jato da NASA e um tanque de reabastecimento aéreo.

O que ele estava fazendo? Isso é um palpite.


O F-117A foi visto pelo observador de aviões Steve Lewis em 11 de julho. O caça estava sendo reabastecido por um KC-135R Stratotanker e foi acompanhado por um caça F-15D da NASA. Curiosamente, o F-15D estava “carregando um módulo de sensores não identificado sob sua asa de estibordo”. O avião completou o reabastecimento e depois rumou ao leste, para Nevada.


O F-117A Nighthawk foi a primeira aeronave do mundo com a furtividade como seu maior - se não o principal - fator de design. Com sua aparência alienígena, o F-117 tinha um exterior facetado em forma de diamante, projetado para reduzir o retorno do radar e minimizar sua assinatura nos radares inimigos. Isso permitiu que ele escapasse das defesas aéreas inimigas, atacasse os alvos terrestres com bombas guiadas a laser GBU-27 Paveway e voltasse a se esgueirar novamente.

Embora comumente chamado de “caça invisível”, isso era um equívoco. Não possuía capacidade de engajar outras aeronaves e era estritamente um avião de ataque ou bombardeiro leve.
O inventário da Força Aérea de 58 Nighthawks foi aposentado em 2008, guardado em condições de “armazenamento para voo”. Uma porção é descartada permanentemente todos os anos. Um número desconhecido, no entanto, ainda está voando, com avistamentos dos jatos em 2016 e 2018. A imagem acima é de fevereiro de 2019.

https://hips.hearstapps.com/hmg-prod.s3.amazonaws.com/images/sukhoi-su-57-jet-multirole-fighter-aircraft-in-flight-news-photo-830760984-1563215810.jpg?resize=768:*
Avião de combate russo Su-57 no Festival de Aviação de Forsazh 2017
Nessa última observação, o F-117A exibia uma pintura em blocos, branca, cinza e preta, similar àquelas usadas pelos esquadrões agressores da Força Aérea, que treinam para replicar armas e táticas inimigas.

Ninguém sabe o que a Força Aérea está fazendo com o F-117A. Há literalmente milhares de aeronaves em serviço, portanto, o que quer que esteja fazendo requer o uso de uma aeronave furtiva e pouco observável. A Força Aérea também tem os furtivos F-22 Raptor e F-35A Joint Strike Fighter, mas por algum motivo o serviço está usando Nighthawks mais antigos para ... seja lá o que esteja fazendo.

A presença de um “módulo de sensores” não identificado no F-15 pode ser uma pista de que a tarefa é testar um novo sensor projetado para captar aeronaves furtivas. A pintura "agressora" também pode ser um sinal de que o Nighthawk está sendo usado como substituto para aviões de combate russos e chineses.

Traduzido por Pacto de Varsóvia

15 de julho de 2019 Popular Mechanics

Postar um comentário

0 Comentários