Finlândia adverte: “a Rússia tem direito à expansão militar no Ártico”

https://static.themoscowtimes.com/image/article_1360/dd/33b0248169fc449ab208571f6c999fa4.jpg

MOSCOU - A Rússia tem o direito de aumentar suas atividades militares no Ártico porque está operando dentro de seu território, disse o embaixador da Finlândia na Rússia, Mikko Hautala.

“No que diz respeito às atividades militares da Rússia, podemos vê-las. Mas a Rússia está agindo dentro de seu próprio território, e acredito que isso deve ser discutido com discrição, mas acho que a Rússia tem o direito de fazê-lo. Se o mundo inteiro está vendo o crescente potencial desta região, está claro que a Rússia está aumentando sua presença lá. Eu não dramatizaria isso além do relato ”, disse Hautala a repórteres na quinta-feira.

As atividades no Ártico são regidas pelo direito internacional e são conduzidas pelos Estados do Ártico - Canadá, Dinamarca, Finlândia, Islândia, Noruega, Rússia, Suécia e Estados Unidos - que compõem o Conselho do Ártico.

A Rússia intensificou recentemente as suas atividades militares, comerciais e de exploração no Árctico, construindo infra-estruturas de transporte e energia e desenvolvendo a Rota do Mar do Norte como parte da Passagem Norte Ártica, ligando a Europa e a Ásia.

No entanto, as atividades de Moscou foram criticadas por alguns países. Em particular, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, expressou sua preocupação no sábado sobre o aumento do investimento militar e do investimento da Rússia e da China na região.

"O Pentágono alertou na semana passada que a China poderia usar sua presença de pesquisa civil no Ártico para fortalecer sua presença militar, incluindo o envio de submarinos para a região como um impedimento contra ataques nucleares", disse ele a delegados na conferência em Rovaniemi, Finlândia.

“Precisamos examinar essas atividades de perto e manter em mente a experiência de outras nações. O padrão de comportamento agressivo da China em outros lugares irá informar como ela trata o Ártico.”

A Rússia também está aumentando sua presença, reabrindo bases militares fechadas após a Guerra Fria e modernizando sua poderosa Frota do Norte para salvaguardar seus interesses.

“Na rota marítima do norte, Moscou já exige ilegalmente que outras nações solicitem permissão para passar, exige que pilotos marítimos russos estejam a bordo de navios estrangeiros e ameaça usar a força militar para afundar qualquer um que não cumpra”, disse Pompeo.

"Essas ações provocativas fazem parte de um padrão de comportamento russo agressivo no Ártico".

O chanceler russo, Sergei Lavrov, comentou que Moscou não ameaçou ninguém com suas atividades na região, observando que apenas o país atuou para garantir capacidade de defesa suficiente.

12 de julho de 2019 Fort Russ

Postar um comentário

0 Comentários