O verdadeiros aviões da Área 51


Avião de reconhecimento U-2

Esqueça os OVNIs, aqui estão oito aviões incríveis que possuem como seu lar a secreta.

Um evento no Facebook está dando o que falar, chamando um exército de usuários de mídia social para derrubar os portões do lendário complexo Area 51 em Nevada. Invadam a Area 51, eles não podem nos deter atraiu quase três milhões de pessoas, com 1,6 marcando-se como "participando" do evento e 1,2 milhão de interessados.

Embora os ativistas não verão nenhum OVNI, a base secreta tem visto sua parcela de aeronaves incomuns ao longo dos anos.

A área 51 tem desempenhado um papel importante no desenvolvimento de tecnologias de aeronaves e aeronaves secretas. Com seus hangares cavernosos, pistas extremamente longas e localização remota, era o lugar perfeito para testar novos conceitos na aviação, bem como aviões de combate estrangeiros adquiridos para fins de teste e avaliação.

Embora a Área 51 não tenha hospedado OVNIs, ela abrigou uma mistura eclética de aviões secretos, não tão secretos e esquisitos.



U-2 Dragon Lady

Avião espião U-2, 1960
Avião espião U-2, 1960

A primeira aeronave secreta a se desenvolver na Área 51 foi o avião espião U-2. O U-2 alçou seu primeiro voo em 01 agosto de 1955 na Pista de Testes e Treinamento de Nevada - também conhecida como Área 51. Como explica este artigo da CIA, o piloto de testes Tony LeVier levou o avião para o leito de lago seco para conduzir testes de taxiamento de alta velocidade quando de repente ele se viu no ar.

"Eu não tinha qualquer intenção de voar", disse LeVier mais tarde.

O U-2 passou a voar missões sobre a União Soviética, Cuba, China e outros países do bloco comunista durante a Guerra Fria.

SR-71 Blackbird

SR-71 "Blackbird"
SR-71 "Blackbird"
O desenvolvimento de mísseis terra-ar de alta altitude pela União Soviética tornou vulnerável o lento, porém alto, voo do U-2. Em resposta, o lendário projetista de aeronaves Clarence “Kelly” Johnson desenvolveu o SR-71 , uma aeronave de reconhecimento de alta altitude e alta velocidade, destinada a superar as defesas aéreas inimigas. O SR-71 tinha uma velocidade máxima de Mach 3,3, ou 3.529km/h. Depois de mais de duas décadas em serviço, a Força Aérea suspendeu os vôos do SR-71 em 1989, encerrando inteiramente o programa nos anos 90.

F-16 Fighting Falcon

F-16 atualmente estacionado na Área 51
F-16 atualmente estacionado na Área 51
O caça monomotor F-16 é o caça mais numeroso do inventário da Força Aérea. Leve-o para a Area 51, no entanto, e ele torna-se muito misterioso. Vários F-16 estão baseados nas instalações secretas de Nevada, com até quatro sendo visíveis no Google Earth de uma vez. Atualmente, um é visível fora de um conjunto de quatro hangares no lado norte do complexo da base. Os aviões são supostamente usados ​​para combater caças russos ou soviéticos e como aviões de perseguição / observação para outras aeronaves.

Caça furtivo F-117A Nighthawk

F-117 fotografado sobrevoando o Vale da Morte, fevereiro de 2019
F-117 fotografado sobrevoando o Vale da Morte, fevereiro de 2019
A primeira aeronave furtiva construída para esse fim, o jato F-117A foi projetado e construído em sigilo total, em grande parte graças à Area 51. Uma versão antiga da versão conceitual chamada “Have Blue” foi enviada para fora da base, seguida por cinco protótipos YF-117A.

A Lockheed e a Força Aérea dos EUA construíram e mantiveram uma força de 59 caças furtivos (o nome é um equívoco, na verdade é um bombardeiro leve) na vizinha Pista de Testes e Aeroporto de Tonopah. Embora a frota do F-117A tenha sido oficialmente aposentada em 2008, a Força Aérea continua pilotando um pequeno número de caças furtivos sobre os desertos da Califórnia e de Nevada. Os observadores de aeronaves acreditam que os jatos são baseados na - você adivinhou - Área 51.

“Janet Airlines” 737

737 "Janet Airlines"
737 "Janet Airlines"
Uma pequena frota de aviões Boeing 737 não marcados, mas de outro modo imperceptíveis, voam do Aeroporto Internacional McCarran, em Las Vegas. Os aviões, que partem diariamente de um terminal privado de codinome “Gold Coast”, usam o indicativo “Janet” no espaço aéreo civil. Os aviões de passageiros, pintados em um esquema de cores simples em vermelho e branco, voam com os funcionários da Área 51 para o local secreto de trabalho e vice-versa.

Sukhoi Su-27 Flanker

Su-27 Flanker da Força Aeroespacial Russa
Su-27 Flanker da Força Aeroespacial Russa
Por décadas, um dos principais objetivos da comunidade de inteligência e da Força Aérea dos Estados Unidos tem sido a recuperação e teste dos jatos soviéticos e russos. Estas aeronaves voaram para a Área 51 sob o pretexto do 413º Esquadrão de Testes de Voo e do 4477º Esquadrão de Testes e Avaliação, ou “Red Eagles”.



Os aviões incluíam caças MiG e Sukhoi adquiridos de aliados no exterior e de outros, por meios mais ilícitos. Embora originalmente um programa da Guerra Fria, o teste de aeronaves adversárias continua até hoje; em setembro de 2017, um jato Flanker Su-27, pilotado por um oficial da Força Aérea dos EUA, caiu no e na Pista de Treinamento e Testes de Nevada.

Tacit Blue

Tacit Blue
Tacit Blue
Outro avião de aparência incomum operando na Área 51 na década de 1980 foi o Tacit Blue, uma aeronave furtiva de pesquisa. Desenvolvida pela Northrop, fabricante do bombardeiro B-2, a empresa alega que o jato de aparência estranha foi uma parte fundamental na pesquisa furtiva para o desenvolvimento do bombardeiro. Comparado com o facetamento tipo diamante do F-117A, o Tacit Blue apresentava formas suaves e fluidas que terminavam em arestas vivas.

Apelidado de “a baleia”, o Tacit Blue também foi importante na pesquisa de furtividade contra radares de baixa frequência. Projetado como uma plataforma de vigilância de campo de batalha capaz de voar sem ser detectado sobre as defesas aéreas, o Tacit Blue nunca entrou em produção.

Bird of Prey (Ave de Rapina)

O YF-118G Bird of Prey
O YF-118G Bird of Prey
A aeronave de pesquisa e desenvolvimento construída pela Boeing, a Bird of Prey foi assim chamada após sua semelhança com o cruzador Klingon "Bird of Prey" da série de TV Star Trek .



A Bird of Prey foi um protótipo de aeronave furtiva que voou pela primeira vez na Área 51 em 1996. De acordo com o Museu Nacional da Força Aérea dos EUA, pretendia estudar furtividade e novas técnicas de fabricação. A Bird of Prey tinha um único motor e usava os componentes de prateleira de aeronaves civis, fazendo 38 vôos antes que o programa fosse declarado concluído. O avião, parecido com um falcão, foi um plano puramente experimental sem perspectivas de uso operacional.

Traduzido por Pacto de Varsóvia.

19 de julho de 2019 Popular Mechanics

Postar um comentário

0 Comentários