Pentágono em silêncio após entrega do S-400 a Turquia

Sistemas de defesa de mísseis russos S-400 descarregados de um avião na Base Aérea de Akinci, perto de Ancara, na Turquia, em 12 de julho de 2019. ©  Ministério da Defesa da Turquia via Reuters

Enquanto a Turquia mostrava imagens do sistema de defesa aérea russo S-400 sendo entregue, os legisladores dos EUA exigiam sanções imediatas contra Ankara, enquanto o Pentágono e o Departamento de Estado permaneceram estranhamente silenciosos.

O presidente da Comissão de Assuntos Exteriores da Câmara, Eliot Engel (Democratas de Nova York) e o membro de escalão republicano Michael McCaul (Republicanos do Texas) reagiram à entrega dos mísseis declarando que a Turquia e seu presidente, Recep Tayyip Erdogan, “devem enfrentar duras conseqüências.”

“O presidente Erdogan fez uma escolha muito clara. Infelizmente, ele claramente escolheu a errada. Um aliado da Otan escolher ficar ao lado da Rússia e de Vladimir Putin ao invés da aliança e da estreita cooperação com os Estados Unidos é difícil de entender”, disse a dupla em um comunicado na sexta-feira.

Eles exigiram da administração Trump para "eliminar" a participação da Turquia no programa do caça furtivo F-35 e "sancionar indivíduos turcos que realizam negócios com o setor de defesa russo, conforme exigido por lei."

Sob a Lei Contra Adversários da América Através de Sanções (CAATSA), aprovada em 2017 com objeções do Presidente Donald Trump, os EUA têm que penalizar países que compram sistemas de armas da Rússia.

Seus pedidos pareciam não ser ouvidos no Pentágono e no Departamento de Estado. O Departamento de Defesa só confirmou que o assunto dos S-400 surgiu na conversa de 30 minutos entre o secretário interino Mark Esper e seu colega turco, mas não ofereceu mais detalhes.


O Pentágono não apresentou relatórios às câmeras por algum tempo, e a imprensa ficou animada quando soube que um deles estava marcado para sexta-feira, esperando que isso resolvesse o problema. Para sua grande decepção, no entanto, foi "adiada indefinidamente".


Washington está reagindo a "traição" de Ancara com uma dureza especial, já que sua aliança anti-soviética antecede até mesmo a fundação da OTAN. Após uma tentativa de golpe militar em julho de 2016 - que Erdogan culpou o clérigo que vive nos EUA sob proteção da CIA - ele começou a se voltar para a Rússia, negociando a compra dos S-400 e justificando a saída dos EUA das baterias de mísseis Patriot.


Ancara respondeu às ameaças dos EUA de cortar o programa F-35 dizendo que iria contra os termos do acordo de fabricação do caça de quinta geração. A Turquia faz parte do consórcio multinacional que está desenvolvendo e produzindo peças para o jato da Lockheed Martin, e deve comprar 100 deles. Eliminá-lo do programa pode impactar negativamente a produção e aumentar ainda mais o custo da máquina de guerra já supervalorizada.

Washington teme que a S-400 revele os "segredos" do F-35 a Moscou e torne o caça furtivo secreto vulnerável às contramedidas russas.

12 Jul, 2019 23:29 Hora Editada: 13 Jul, 2019 15:42 RT

Postar um comentário

0 Comentários