Programa de submarinos da Índia

A infografia mostra os submarinos da Marinha indiana INS Arihant e INS Kalvari e refere as datas do seu desenvolvimento.

Face ao envelhecimento da sua frota de submarinos, a Marinha indiana está  construindo quatro submarinos nucleares com mísseis balísticos (SSBN) e seis da classe Scorpène (SSK) com propulsão diesel e elétrica.

A Marinha Indiana (IN) encomendou quatro SSKs da Classe Shishumar e oito dos nove submarinos ativos da Classe Sindhughosh (Kilo) entre 1986 e 1994. Os barcos receberam upgrades de meia-idade, mas se o limite padrão de 30 anos for respeitado, os submarinos terão de deixar o serviço em 2024.

Desde o lançamento do seu projeto de VV (Advanced Technology Vessel) na década de 1990, a Índia alcançou seu objetivo de estabelecer uma dissuasão nuclear em toda a terra, ar e mar - a chamada "tríade nuclear".

"Em uma época como essa, uma dissuasão nuclear confiável é a necessidade da hora", disse o primeiro-ministro Narendra Modi em novembro de 2018, quando anunciou que o primeiro SSBN da Índia, o INS Arihant, completara sua primeira patrulha de dissuasão armada com mísseis nucleares.

O segundo SSBN da classe Arihant, INS Arighat, lançado em 2017, está atualmente passando por testes no mar.

Em outubro de 2005, a Índia assinou um contrato para o Projeto 75 (I). Seis submarinos de ataque diesel-elétrico da classe Scorpène (SSKs) serão construídos pela Mazagon Dock Shipbuilders Limited (MDL), com sede em Mumbai, e parceira do Grupo Naval da França.


A construção do Barco 1 (Kalvari) começou em maio de 2009, fabricado a partir de 16 subseções. A fabricação do casco de todos os seis submarinos P75(I) está agora completa e quatro barcos, INS Kalvari, Khanderi, Karanj e Vela, foram lançados, sendo o último em maio de 2019. A IN encomendou o Kalvari em dezembro de 2017.

O projeto P75(I) não foi sem problemas. Em junho, o Jane's Defense Weekly informou que a IN se recusou a encomendar o INS Khanderi até que a MDL e o Grupo Naval da França consertassem um total de 36 defeitos e deficiências - incluindo níveis de ruído do motor e do propulsor “inaceitavelmente altos”.

Mais cedo, em agosto de 2016, o vazamento de cerca de 22.000 páginas descrevendo as capacidades classificadas dos Scorpènes perturbou o governo em Nova Delhi. As revelações incluíram detalhes furtivos, níveis de ruído, dados de cavitação e frequências de sonar e alcance.

Estima-se que o projeto 75(I) custará entre INR400 bilhões e INR450 bilhões - US$5,75 bilhões e US$6,47 bilhões.

Traduzido por Pacto de Varsóvia.

24 de junho de 20179 Graphic News

Postar um comentário

0 Comentários