Rússia descobre método que reduz o custo na fabricação de magnésio para aviação

Cristais de magnésio

Cientistas do Departamento de Metais Não Ferrosos e Ouro da Universidade Nacional de Ciência e Tecnologia da Rússia MISIS (NUST MISIS) descobriram um método para reduzir o custo de fabricação de magnésio industrial que é freqüentemente usado na aviação e na indústria de defesa, informou o Serviço de Imprensa da Universidade.

Como afirmado na declaração, o magnésio puro é tradicionalmente obtido por eletrólise de MgCl2 em um ambiente de cloreto no qual se desintegra com o uso do método eletrolítico. Neste caso, apenas 80% da corrente elétrica aplicada no processo de eletrólise é compensada, os 20% restantes são gastos em vão.

"Nas condições tradicionais de eletrólise de magnésio com cloro, o cátodo atrai magnésio líquido e o ânodo atrai o cloro gasoso. Em vista do fato de que as gotas de magnésio se misturam com o gás, elas são facilmente unidas novamente. Descobrimos um método para impedi-lo, reduzindo a temperatura do eletrólito, e o magnésio começou a sair de forma sólida", o comunicado citou as palavras do chefe do grupo de pesquisa, Andrei Lisenko.

Em particular, enfatizou-se que se a temperatura do eletrólito subir rapidamente (por até uma hora), fará com que o magnésio derreta e então o magnésio fundido seja removido do eletrólito, apenas 5% do metal será perdido se comparado com os 20% da tecnologia tradicional. Os cientistas conseguiram aumentar o rendimento de magnésio em 15%, reduzindo o consumo de energia elétrica em 5%. Dessa forma, isso poderá aumentar até 10% a produtividade das fábricas que produzem magnésio.

Na Universidade, foi dito que, num futuro próximo, os cientistas planejam automatizar todo o ciclo: desde a fusão do cloreto de magnésio no eletrólito até a remoção do magnésio fundido.

Traduzido por Pacto de Varsóvia.

17:54 29/07/2019 Sputnik

Postar um comentário

0 Comentários