Entrevista com Yuri Vashchuk, o veterano piloto de testes da Sukhoi

Piloto de testes Yuri Vashchuk: "Estou orgulhoso por ter sido um dos primeiros a dominar o Su-57"

Piloto de testes Yuri Vashchuk: “Estou orgulhoso por ter sido um dos primeiros a dominar o Su-57”.


Para o piloto de testes condecorado com a medalha Herói da Rússia, Yuri Vashchuk, será seu 14º consecutivo MAKS-2019 (Salão Internacional de Aviação e Espaço, que é tradicionalmente realizado em Zhukovsky, perto de Moscou).

Na véspera,  soube-se que outro prêmio foi adicionado à coleção de medalhas de Yuri Mikhailovich - que já foi condecorado com a Estrela de Ouro, era a Ordem da Coragem. Reconhecimento absoluto de experiência, habilidade e, claro, coragem! .. No entanto, ele teve um caminho difícil até os céus: um conselho médico havia emitido o veredito que, mesmo com seu estado de saúde, não fazia sentido sonhar com a aviação, especialmente militar. Mas os médicos não tinham ideia com quem estavam lidando. Como Yury Vashchuk disse ao repórter semanal do Zvezda, um ano depois de "recuperado" ele entrou no Centro de Aviação de Treinamento Omsk DOSAAF. Como resultado, tornou-se tenente júnior da reserva, tendo em sua bagagem uma centena de horas de voo no L-29, MiG-15 UTI  e MiG-17. Para o piloto de testes, isso claramente não foi suficiente e, tendo estudado vários livros especializados de referência, Vashchuk decidiu continuar seus estudos no Instituto de Aviação de Moscou (IAM).

Concordo, Yuri Mikhailovich, o IAM não é o caminho mais próximo para os pilotos de caça.


Acontece que no ano em que me formei no Centro de Aviação DOSAAF, não havia ordens de admissão em escolas militares. Recebi um encaminhamento para uma escola de aviação civil em Aktyubinsk, mas me arrisquei a tentar a sorte em Moscou. Em primeiro lugar, eu sabia que muitos veteranos graduados haviam tornado-se astronautas, e em segundo lugar, o instituto tinha uma faculdade que treinava especialistas para testes de voo.


E como você se tornou um mestre de classe internacional em esportes aéreos?


Eu realmente queria voar. E como nosso instituto está localizado ao lado de Tushino, onde  está o Aeroclube Central de Chkalova, não podia perder esta oportunidade.

Eu realmente queria voar ...
Eu realmente queria voar ...

Eu comecei voando em aviões esportivos, aprendi a "desenhar" acrobacias no céu. Como resultado, eu “alcancei” um membro da equipe nacional do país e até me apresentei em campeonatos mundiais. Mas o esporte não é uma profissão. Portanto, quando recebi uma oferta para me tornar um piloto de testes na Divisão de Projetos Sukhoi, aceitei sem hesitar.

Você ainda trabalha como piloto de testes na Sukhoi? E como conseguiu a Estrela de Ouro?


Continuo a trabalhando no Gabinete de Projetos e continuo a fazer o trabalho de testes, apenas agora como diretor de voo adjunto. Como antes, participo da criação de novos modelos de equipamentos, tanto no estágio de projeto quanto na fase de ajuste fino durante os testes de voo. Comecei com o Su-29 e Su-31, colocando uma asa com enflechamento invertido no avião S-37 Berkut, que agora é chamado de Su-47. No total, meu histórico contém cerca de sete dezenas de diferentes tipos e modificações de aeronaves. Tenho orgulho de ter sido um dos primeiros a dominar o Su-57, quando ainda era conhecido pelo código T-50. Eu tive a chance de pilotar uma das aeronaves da fábrica de Komsomolsk-on-Amur para o aeródromo de Zhukovsky.

Su-57 - um caça multifuncional furtivo de 5ª geração, desenvolvido pela Divisão de Projetos em homenagem a P.O. Dry para substituir o caça pesado Su-27. O avião fez seu primeiro voo de teste em janeiro de 2010. Em maio de 2019, a produção em série do caça Su-57 foi iniciada.

... Quanto ao grande prêmio, devo dizer que os pilotos de testes raramente se tornam heróis por algum evento em particular. Basicamente é pela totalidade dos méritos associados às nossas atividades diárias.

Em maio de 2019, a produção em série do caça Su-57 foi iniciada
Em maio de 2019, a produção em série do caça Su-57 foi iniciada.

Você fala tão rotineiramente sobre o trabalho de um piloto de testes ... Mas você não teve que ejetar? O que o piloto sente nesses momentos? Não é difícil entrar em um avião novamente?


O risco está sempre presente, porque o nosso trabalho está relacionado a aparelhos experimentais. Mas é por isso que nós somos pilotos de testes e testamos o aparelho ao máximo antes de entrar em serviço. E eu tive que ejetar. Duas vezes, e filosofar em tais situações, acredite em mim, não há tempo. E depois disso também: ou você está fazendo um trabalho em que você está treinado, ou irá procurar outra ocupação ... O principal é ter certeza de que você fez todo o possível para salvar o avião, e se você falhar, tente ficar no avião o menor tempo possível antes dele cair no chão. No primeiro caso, eu e meu companheiro realizávamos um voo de testes sobre estabilidade e controlabilidade em um MiG-23UB quando um incêndio ocorreu a bordo. Não havia outra escolha a não ser saltar. Mas houve uma demora porque tive de afastar o avião de um lago e de um povoado. Como resultado, nós ejetemos a uma altitude extremamente baixa - cerca de 400 metros, e por isso recebemos uma reprimenda dos chefes. Estávamos proibidos de correr riscos. No segundo caso, eu ejetei do Su-35 durante o desenvolvimento de novos modos de controle. E o mais desagradável foi que, quando desci, fiquei pendurado em uma árvore até que a equipe de resgate me retirasse.


E como você avalia o Su-57?


Claro, este avião é o orgulho das forças aeroespaciais russas. Ele não tem similar no mundo hoje. Além da visibilidade mínima aos radares em todos os comprimentos de onda, incluindo infravermelho e rádio, a aeronave tem super manobrabilidade e capacidade de escapar dos inimigos em velocidade supersônica sem pós-combustão. Além disso, a aeronave é multifuncional e pode resolver ambas as tarefas de ganhar superioridade aérea e lidar com alvos terrestres e de superfície. E agora acrescente a isso a habilidade do piloto e a mundialmente famosa determinação e coragem que são peculiares apenas ao povo russo.

Su-35 conquistou eventos aeroespaciais em Paris, Berlim, Zhuhai e Seul.
Su-35 conquistou eventos aeroespaciais em Paris, Berlim, Zhuhai e Seul.

Se nossos pilotos foram capazes de realizar verdadeiros milagres de heroísmo em aviões de compensado durante a última guerra, imagine o que eles podem fazer com essa máquina! Eu não aconselho ninguém a experimentar em sua própria pele o poder do russo Su-57! Ao mesmo tempo, quero observar que durante o trabalho de testes continuamos a desenvolver as capacidades de combate dessa máquina única.


Você participará da próxima MAKS como oficial ou como piloto?


Não me escreva antes do tempo dos pilotos de testes. Eu tenho apenas 56 anos e, como osmédicos deram sinal verde, ainda estamos voando. E um dia da exposição, vou liderar um grupo de aeronaves, composto por quatro Su-57 e um par de Su-35 e Su-34, que simularão combate aéreo. No dia seguinte, vou sentar em meu amado Su-35. Em suma, venha até Zhukovsky e garanto-lhe: você verá muitas coisas interessantes.

Yuri Vashchuk foi um dos principais pilotos de testes do caça Su-35, equipado com um sistema experimental que permite que a aeronave atinja modos de super manobrabilidade e execute acrobacias sem um vetor de empuxo controlado. Entre eles estão exercícios como um parafuso controlado em altitudes médias, um parafuso, uma curva na “cobra” com uma mudança na direção do voo em 180 graus, etc. Além do MAKS, o piloto de testes Vashchuk no Su-35 realizou programas de demonstração em eventos aeroespaciais internacionais em Paris, Berlim, Zhuhai chinês e Seul.

E os jovens pilotos não tentam superar os veteranos?


Há competição, mas não tão acirrada.


A experiência de um piloto de testes é a bagagem acumulada apenas durante o processo de trabalho.
A experiência de um piloto de testes é a bagagem acumulada apenas durante o processo de trabalho.

Para deixar claro: na nossa Divisão de Projetos Sukhoi, os pilotos de testes, a quem chamamos de jovens, já estão chegando ao seus 40 anos. A experiência de um piloto de testes é a bagagem acumulada apenas durante processo de trabalho. É preciso muita experiência para se tornar um especialista de classe nesse negócio difícil. Apenas um enorme trabalho prático no solo e no ar faz de um piloto comum um piloto de testes.

Parece que você já conseguiu tudo que um piloto poderia desejar para você mesmo ... Ainda resta a você sonhos que não foram alcançados?


Claro, eu não me tornei um piloto militar profissional. Espero que esse sonho seja alcançado por meu filho, que agora está em seu terceiro ano na Escola Superior de Aviação Militar de Krasnodar. Quando ele dominar os céus, certamente ficarei satisfeito com o meu destino.

Traduzido por Pacto de Varsóvia

22 de agosto de 2019, 14:45 Zvezda

Postar um comentário

0 Comentários