Fim do tratado Novo START entre EUA e Rússia pode ter consequências fatais

Destruição de mísseis de curto alcance no âmbito do Tratado INF com os EUA (foto de arquivo)

Fim do tratado Novo START entre EUA e Rússia pode ter consequências fatais para a estabilidade estratégica.


O Tratado de Redução de Armas Estratégicas é o único acordo que limita os armamentos dos EUA e da Rússia após a saída de Washington do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF) em agosto de 2019.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, alertou em uma declaração nesta segunda-feira (26) que uma potencial recusa da extensão do Tratado de Redução de Armas Estratégicas (START) pelos EUA teria graves consequências para o mundo.

"As consequências para a estabilidade estratégica global vão ser muito prejudiciais. A estabilidade estratégica em geral em escala global sem dúvida será prejudicada, já que nós, ou seja, toda a humanidade ficará praticamente sem qualquer documento que regule a esfera [de armamentos nucleares]", disse o porta-voz.

Peskov também observou que a questão da extensão do Novo START já foi iniciada pelo presidente russo, Vladimir Putin, em diálogos com seu homólogo norte-americano, Donald Trump, entretanto, até o momento, Washington "não mostrou sinais" de que está pronto para discutir a futura do tratado.


O Tratado de Redução de Armas Estratégicas, também conhecido como Novo Start, foi assinado entre Rússia e EUA em abril de 2010, substituindo o antigo tratado.

O Novo START reduziu em 50% a quantidade de armamentos nucleares entre ambos os países, sem impor limites ao número de ogivas nucleares inativas armazenadas.

O assessor de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, sugeriu anteriormente ser "improvável" que os EUA prolonguem o tratado sobre armas nucleares, alegando que o tratado é "problemático", enquanto que o presidente Trump considerou a possibilidade de alcançar um novo acordo que acrescentaria a China juntamente da Rússia.

O tratado expira no dia 5 de fevereiro de 2021, com a opção de estendê-lo até 2026.

07:15 26.08.2019 (atualizado 08:28 26.08.2019) Sputnik

Postar um comentário

0 Comentários