Míssil recém-testado pelos EUA foi alerta para China, diz secretário norte-americano de Defesa

Teste do míssil de cruzeiro foi realizado no dia 18 de agosto na ilha de San Nicolas, na Califórnia, EUA. O míssil viajou por mais de 500 km, superando o que era antes estabelecidos por tratados entre EUA e Rússia.

O novo míssil testado há poucos dias pelos EUA teria como objetivo desencorajar a China, segundo o secretário de Defesa dos EUA, Mark Esper.


"Precisamos nos assegurar de que, caso seja necessário, temos o potencial para dissuadir o mau comportamento da China, de maneira a termos a possibilidade de atingi-la a partir de um alcance médio", afirmou Esper.

"A China é a prioridade número um para nosso departamento [...]", declarou o secretário, ressaltando que a maior ameaça para os EUA é precisamente este país.

"[...] Acredito que, a longo prazo, a China é um desafio maior [que a Rússia], levando em conta seu poder econômico, político e suas ambições", completou.

O teste em questão ocorreu no dia 18 de agosto. O míssil terrestre de cruzeiro que foi testado era proibido pelo Tratado INF, já que tem um alcance superior a 500 quilômetros.

O Tratado INF, firmado em 1987, garantia a segurança na Europa mas foi rompido pelos EUA no último 2 de agosto.

Os norte-americanos alegaram que o motivo do rompimento do tratado teriam sido as supostas infrações cometidas pela Rússia. Contudo, em princípios de fevereiro deste ano, o Ministério da Defesa russo publicou imagens de satélite de uma fábrica da empresa norte-americana Raytheon, no Arizona, onde desde há pelo menos dois anos são produzidos mísseis de médio alcance, proibidos pelo tratado INF.

O ministério russo também revelou que, em novembro de 2017, o Congresso norte-americano assinou uma autorização para o Pentágono desenvolver um míssil proibido no valor de US$ 58 milhões.

03:24 22.08.2019 Sputnik

Postar um comentário

0 Comentários