Necessidade do Pentágono para novos F-15 reflete a catástrofe do F-35

Um jato F-35  Lightning II sendo vistoriado

FOX Business - A história do maior desastre de compras do Pentágono não dá sinais de acabar.

O F-35 Joint Strike Fighter (JSF), o garoto propaganda da inépcia e da ineficiência na aquisição para defesa, está em desenvolvimento há quase 18 anos e está oito anos atrasado. Os custos totais de aquisição da aeronave de quinta geração ultrapassam US$ 428 bilhões, quase o dobro da estimativa inicial de US$ 233 bilhões. Os custos de operação e manutenção da vida útil do sistema de armas mais caro da história totalizam aproximadamente US$ 1,2 trilhão.

Graças aos enormes atrasos, a aeronave de quarta geração que o JSF pretendia substituir chegou ao fim de sua vida útil. O A-10, o AV-8B, o F-15C/D, o F-16 e o ​​F/A-18 deveriam estar no cemitério de aviões, a versão do Departamento de Defesa (DOD) para os aposentados, mas eles ainda sobrevivem.

Em uma audiência da Comissão de Serviços Armados do Senado em março, o chefe do Estado-Maior General Joseph Dunford disse que o DOD solicitou financiamento para o F-15EX, que é uma versão atualizada do F-15C/D sendo vendida para países como Qatar e Arábia Saudita. Ele disse que é “um pouco menos caro para aquisições do que o F-35, mas é mais de 50% mais barato operar ao longo do tempo e tem o dobro de horas em termos de vida útil.” O Secretário da Força Aérea Heather Wilson também citou os altos custos operacionais do F-35 como um fator para a compra do F-15EX.

No entanto, alguns membros do Congresso se opuseram a essa proposta. No mês passado, o Comitê de Serviços Armados da Câmara autorizou a compra de dois aviões F-15EX, mas suspendeu o financiamento para os seis restantes até que o DOD fornecesse mais detalhes sobre o programa. Mas, o projeto de lei de dotações do DOF para 2020 aprovado pela Câmara dos Deputados ignorou essa recomendação e forneceu financiamento para todos os oito F-15EX.


O financiamento para aeronaves tampão de geração anterior adicionais pode tornar-se cada vez mais uma norma devido aos contínuos atrasos e inseguranças do JSF. O F-35 enfrenta uma série de problemas contínuos, incluindo 13 problemas de categoria um, definidas como grandes falhas que prejudicam a eficácia da missão e impactam sua segurança. Esses defeitos incluem sinusite extrema e dor de ouvido sofridos pelos pilotos devido a mudanças rápidas na pressão da cabine, danos ao revestimento furtivo do avião em altas velocidades, e problemas de iluminação com o capacete do piloto que complicam as aterrissagens nos porta-aviões.

Em fevereiro de 2018, apenas 51% dos JSF comprados pelo DOD estavam operacionais.

O programa JSF chegou a um estágio crucial no processo de desenvolvimento, pois o DOD decidirá em outubro se começará a produção em larga escala. Deixar de resolver os defeitos antes de entrar nesta fase aumentará drasticamente o custo total do programa, uma vez que qualquer aeronave adquirida nesse ínterim terá de ser adaptada ao longo da série.

A menos que o DOD tenha controle das principais causas do desastre da aquisição do JSF, parece provável que esses erros ocorram novamente quando chegar a hora de comprar a próxima geração de aeronaves. Embora seja tarde demais para reverter os erros que levaram à situação atual, não é tarde demais para resolver os problemas do F-35.

Traduzido por Pacto de Varsóvia.

19 de julho de 2019 FOX Business

Postar um comentário

0 Comentários