Nova Crise dos Mísseis? O que poderia ocasionar um bloqueio dos EUA à Venezuela

Destróier USS Porter da marinha dos EUA

O presidente dos EUA, Donald Trump, declarou estar considerando um bloqueio ou quarentena contra a Venezuela. O especialista Egor Lidovskoy detalhou para a Sputnik o eventual motivo por trás da ponderação norte-americana.

Egor Lidovskoy, diretor-geral do Centro Latino-Americano Hugo Chávez, acredita que os EUA precisam do bloqueio porque Juan Guaidó não cumpriu a função de "presidente fantoche".

Segundo ele, o bloqueio contra a Venezuela já foi imposto com a proibição comercial a países terceiros e pressão econômica dos EUA. Lidovskoy acredita que os EUA querem mesmo é retirar Nicolás Maduro do poder e substitui-lo por alguém que o agradem.

"Como podemos ver, Juan Guaidó não está exercendo bem a função de 'presidente fantoche', e não conseguiu alcançar um poder real. O poder do presidente Maduro é forte o suficiente, ele tem muito apoio popular, ele conseguiu fortalecê-lo unindo o povo contra a interferência americana", afirmou Lidovskoy para o serviço russo da Rádio Sputnik.

Em se tratando de cenário militar norte-americano na Venezuela, Egor Lidovskoy não acredita que vá ser posto em prática.

"Possivelmente, eles [EUA] queriam uma solução militar do conflito. Mas há o fator da Rússia, China, Turquia e de outros países que apoiaram o presidente Maduro e que são fortemente contra uma solução militar. Por isso, [os EUA] continuam pressionando economicamente e financiando grupos de militantes e oposicionistas dentro da Venezuela."



Nova 'Crise dos Mísseis de Cuba'?

No entanto, Vladimir Dzhabarov, senador e primeiro-vice-presidente do Comitê de Relações Exteriores do Conselho da Federação, acredita que um possível bloqueio americano à Venezuela seja extremamente perigoso, com chances de repetição da crise caribenha de 1962.

"Trata-se de algo muito, muito perigoso. Certa vez, os norte-americanos tentaram organizar um bloqueio a Cuba, que quase terminou com uma crise nuclear em 1962", relembrou Dzhabarov em comentário à Sputnik.

Dzhabarov salientou que a Rússia presta principalmente assistência à Venezuela, em sua grande maioria humanitária. "Nós fornecemos ajuda principalmente humanitária, para que os venezuelanos não morram de fome", disse o senador.

Crise na Venezuela

Na Venezuela, em 21 de janeiro, protestos em massa contra o presidente Nicolás Maduro começaram logo após sua tomada de posse. O chefe da Assembleia Nacional, controlado pela oposição, Juan Guaidó, se declarou ilegalmente "presidente interino".

Vários países ocidentais, liderados pelos EUA, declararam apoio a Guaidó, que foi chamado por Maduro de "fantoche" dos Estados Unidos. Rússia, China, Turquia e vários outros países apoiam o presidente legitimo do país caribenho: Nicolás Maduro.

07:46 02.08.2019 (atualizado 07:49 02.08.2019) Sputnik

Postar um comentário

0 Comentários