Rússia está à frente dos EUA em tecnologias hipersônicas, afirmam especialistas

Testes do novo sistema russo Avangard (foto de arquivo)

Rússia não rouba tecnologia norte-americana de armas hipersônicas, ao contrário, é líder nesta esfera, o que é confirmado com o armamento hipersônico russo que não tem análogos nos EUA, segundo especialistas.


Anteriormente, o assessor de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, acusou a Rússia de roubar tecnologias americanas relacionadas ao desenvolvimento de armas hipersônicas. A Sputnik discutiu a acusação com especialistas.

Falando sobre a recente explosão em uma instalação militar na região russa de Arkhangelsk, Bolton especulou que o incidente "demonstra que, embora a economia da Rússia seja aproximadamente do tamanho da Holanda, ainda está gastando o suficiente em defesa, não apenas para modernizar seu arsenal nuclear, mas também para construir novos tipos de veículos portadores – veículos planadores hipersônicos, mísseis de cruzeiro hipersônicos – em grande parte roubados da tecnologia americana".

É impossível criar armas hipersônicas se nos limitarmos a tentar aplicar as tecnologias existentes, o que exige o desenvolvimento paralelo de várias esferas da economia e da ciência, como a ciência material e a mecânica de precisão, acredita o especialista militar Igor Korotchenko.

"Por que então não há os modelos nos EUA que nós temos? Isso mostra que estamos realmente à frente dos EUA em tecnologias hipersônicas e novos meios de entrega, onde simplesmente realizamos nossos próprios desenvolvimentos. As declarações de Bolton são mais um exemplo da retórica antirrussa de altos funcionários dos EUA", afirmou Korotchenko.

O especialista não descartou que Bolton alega que a Rússia "rouba" tecnologia para se justificar perante os contribuintes americanos pela falta de armas semelhantes nos EUA.

Tecnologias russas


Viktor Murakhovsky, especialista militar russo e membro do conselho de especialistas da Comissão Industrial Militar, acredita que os principais elementos tecnológicos necessários para atingir velocidade hipersônica foram testados na URSS.

Na época, foram criados materiais de proteção térmica para a nave espacial reutilizável Buran, que entrou na atmosfera a uma velocidade hipersônica.

Além disso, os modernos mísseis balísticos intercontinentais em serviço na Rússia também são equipados com unidades de combate que entram na atmosfera a uma velocidade hipersônica, relembrou.

"E, obviamente, os elementos-chave, como materiais isolantes e resistentes ao calor, que podem suportar temperaturas de milhares de graus, ainda estavam sendo desenvolvidos. Hoje surgiu ideia de um míssil hipersônico guiado", disse Murakhovsky.

Diferença 'hipersônica' entre EUA e Rússia


Para Viktor Murakhovsky, a física da atmosfera e o movimento nela a uma velocidade hipersônica é o mesmo em qualquer lugar do mundo, de modo que as armas hipersônicas dos EUA não são fundamentalmente diferentes das da Rússia.

Ele observou que a Rússia já iniciou a produção em série de mísseis hipersônicos Avangard, iniciou a operar mísseis hipersônicos Kinzhal e em breve começará a produção do míssil de cruzeiro hipersônico Tsikron.

"Estamos à frente deles na prática. Eu acho que o trabalho deles ainda está nas fases de design e dos primeiros protótipos, precisando de no mínimo 5 a 7 anos para conseguir um produto real", concluiu Murakhovsky.

07:10 15.08.2019 (atualizado 08:24 15.08.2019) Sputnik

Postar um comentário

0 Comentários