Saiba quem criou os maiores submarinos da História

Submarino da Armada russa da Classe Akula 'Dmitri Donskoy'

100 anos atrás, nascia Sergey Kovaliov, um dos mais famosos projetistas de submarinos soviéticos. Sob sua liderança, na URSS eles construíram mais de 90 submersíveis nucleares, muitos dos quais ficaram na história.


Hoje, o Sputnik conta um pouco mais sobre os projetos mais proeminentes de Kovaliov.


O primeiro grande projeto


O primeiro grande projeto liderado por Sergey Kovaliov foi dos submarinos movidos a energia nuclear da Série 658 - Classe Hotel, de acordo com a classificação da Otan. Esses submersíveis eram capazes de carregar torpedos e mísseis balísticos de lançamento na superfície com cargas nucleares. O K-19, o primeiro navio do projeto, entrou em serviço da Marinha Soviética em 1960.

Os submersíveis do Projeto 658 transportavam três mísseis balísticos R-13 a bordo. Estas embarcações foram projetadas para atacar alvos costeiros, nas cidades e nas bases navais do inimigo. Como precisavam se aproximar dos alvos a uma distância de menos de 600 quilômetros, elas foram construídas para serem tão imperceptíveis quanto possível. Estes foram os primeiros submarinos que receberam um revestimento especial, capaz de absorver o som e dificultar o funcionamento das estações de sonar inimigas. Os submarinos da Série 658 poderiam reabastecer suas reservas de ar na profundidade do periscópio, isto é, sem chegar à superfície. Essa habilidade muitas vezes permitia que eles passassem despercebidos nas imediações da costa americana.

Além disso, tinham as seguintes características técnicas:


  •     profundidade: até 300 metros;
  •     velocidade: até 26 nós sob a água e sete a oito nós na superfície;
  •     tripulação: 104 pessoas;
  •     Autonomia de navegação: até 50 dias.


No total, oito submarinos foram construídos no âmbito deste projeto. Todos serviram na Marinha da União Soviética por mais de 20 anos e completaram centenas de missões militares diferentes.


 Submarino nuclear K-19
 Submarino nuclear K-19

Os gigantes do norte


O desenvolvimento do Projeto 941 Akula - classe Typhoon, de acordo com a classificação da OTAN - começou no início dos anos 70. O submarino foi projetado para transportar 20 mísseis R-39, cada um medindo 16 metros e pesando 90 toneladas. Por essa razão, o Akula precisava ser um grande submarino capaz de transportar essas enormes novas armas e dispará-las ao mesmo tempo. Assim, este barco acabou por se tornar o maior submarino que já existiu, com um comprimento de 172 metros e um diâmetro de mais de 23 metros.

O Akula é um submarino multi-casco. Tem cinco cascos reforçados de titânio alojados em um casco de aço. Os dois cascos principais estão em paralelo. Além dos mísseis balísticos, o submarino foi capaz de carregar seis torpedos de 533 mm.


No total, a URSS construiu seis submarinos dentro do Projeto 941. Todos eles foram destinados à Frota do Norte, em uma divisão especialmente criada para eles. No entanto, esses navios não funcionaram por muito tempo. Além do tamanho que dificultava a parte logística de seus serviços, a operação desses navios era incrivelmente cara. Para piorar a situação, os navios foram colocados em serviço em um momento em que a Marinha estava passando por problemas financeiros. O Dmitri Donskoy, o primeiro navio da série, foi modernizado e recondicionado e é o único que ainda está a serviço da Marinha Russa.

 Submarino nuclear do Projeto 941 da Classe Akula

Uma surpresa silenciosa


Outro projeto conhecido de Kovaliov foram os submarinos do Projeto 667BDR Kalmar - classe Delta III, de acordo com a classificação da OTAN. Essas embarcações, construídas no final da década de 1970, foram amplamente utilizadas na Marinha Soviética. No total, 14 navios foram construídos sob o Projeto Kalmar, que foram utilizados nas frotas do Pacífico e do Norte.

Uma das características marcantes desses submarinos foi seu inovador sistema de controle de tiro que permitiu disparar seus 16 mísseis de uma só vez. Os intervalos entre lançamentos foram reduzidos. Além disso, eles tinham uma nova arma: os mísseis balísticos de combustível líquido R-29R. Esses submarinos eram equipados com hélices especiais de cinco pás que produziam pouco ruído e um sistema hidroacústico capaz de detectar alvos localizados a distâncias de até 200 quilômetros.


O Kalmar fez sete travessias internacionais individuais sob o gelo do Ártico, durante as quais os submarinos navegaram a uma profundidade rasa - cerca de 50 metros - sob camadas de gelo que ultrapassavam 15 metros. A tripulação dos barcos precisava manobrar quase cegamente, manualmente e com extrema precisão entre o gelo submerso a uma distância de apenas três a quatro metros. A maioria dos submarinos 667BDR está fora de serviço. Apenas o submarino nuclear K-44 Ryazan continua a operar na frota do Pacífico.

 Submarino nuclear da Classe Kalmar
 Submarino nuclear da Classe Kalmar

Estes são apenas alguns dos navios projetados por Sergey Kovaliov que, no total, lideraram a construção de 92 submarinos nucleares. O engenheiro participou da criação de três gerações de navios movidos a energia nuclear, incluindo os submarinos de quarta geração da Série 955 da Classe Borei. Kovaliov recebeu o título honorário de Herói da URSS duas vezes - em 1963 e 1974. Ele morreu em 24 de fevereiro de 2011, aos 92 anos.

Traduzido por Pacto de Varsóvia.

16:10 08.08.2019 (atualizado às 20:49 16.08.2019) Sputnik

Postar um comentário

0 Comentários