As maneiras bizarras de que a CIA tentou vencer a Guerra Fria


As maneiras bizarras que a CIA tentou vencer a Guerra Fria

A CIA desclassificou documentos que revelam seu programa de pombos espiões da Guerra Fria, a mais recente revelação do grau verdadeiramente bizarro que os EUA chegaram para vencer a guerra, que incluía charutos assassinos, golfinhos treinados e gatinhos escutas.


Pombos espiões

A Agência Central de Inteligência (CIA) desclassificou detalhes de sua missão secreta de pombo espião durante a Guerra Fria, chamada 'Tacana'. Usava os pássaros para fotografar secretamente locais dentro da União Soviética. A espécie aviária foi escolhida por causa de sua capacidade de navegar de volta para casa, e aparentemente eles voaram suas missões enquanto câmeras caras estavam presas a elas.

Do céu… e do mar

Os novos documentos também revelam como a CIA usou corvos para soltar dispositivos de escuta nos peitoris das janelas e treinou golfinhos em missões submarinas para "penetração no porto". Os mamíferos também foram testados para ver se podiam transportar sensores para detectar submarinos nucleares soviéticos e traços de armas radioativas. Em Key West, na Flórida, os EUA tentaram usar golfinhos em ataques subaquáticos contra navios inimigos.

Charutos, roupas de mergulho e conchas para matar Castro

A agência de espionagem dos EUA planejou várias conspirações estranhas - e fúteis - para assassinar o presidente cubano Fidel Castro durante a Guerra Fria, incluindo esquemas envolvendo conchas explosivas e charutos assassinos.

A CIA planejava presentear Castro com uma caixa de charutos envenenados em 1960. Os charutos foram cravados com uma forte toxina botulínica e entregues por uma "pessoa não identificada" em 1961, mas Castro nunca os fumou.

A agência também apresentou a ideia de revestir o interior de uma de suas roupas de mergulho com um fungo que produzia o pé de madeira, uma doença crônica e contaminar o aparelho respiratório da roupa com bacilos de tuberculose, de acordo com um relatório desclassificado de 1967 do Inspetor-Geral, parte do lançamento de 2017 dos Arquivos Nacionais dos registros de assassinato de John F. Kennedy.

Também considerou plantar umaespetacular armadilha de concha”, que seria submersa em uma área onde Castro frequentemente mergulharia.

Gatinho escuta

A CIA gastou US$ 14 milhões para colocar dispositivos de escuta dentro de gatos na década de 1960. O plano era que eles vagassem e ouvissem a inteligência russa. A missão falhou no primeiro dia, quando um gato implantado com esse dispositivo foi atropelado do lado de fora da embaixada soviética em Washington.


Videntes da Cientologia

Convencida de que os soviéticos estavam pesquisando a percepção extra-sensorial (ESP) para espionagem, a CIA iniciou o projeto 'Star Gate' em 1970, liderado por um cientologista. Ele recrutou pessoas, incluindo muitos cientologistas, que alegavam ter poderes psíquicos, para descobrir segredos de inteligência. Escusado será dizer que esse projeto também não deu frutos.

LSD para controle da mente

O projeto da CIA, MK-ULTRA, era um programa secreto de pesquisa em seres humanos, lançado secretamente nos anos 50, que testava os efeitos de drogas como LSD e MDMA para um possível controle da mente e tortura. Os medicamentos foram testados em seres humanos, muitos dos quais desconheciam que estavam sendo experimentados. Pelo menos a morte de um participante - o pesquisador de armas biológicas do Exército dos EUA, Frank Olson - foi vinculado ao programa.

Traduzido por Pacto de Varsóvia.

15 set, 2019 12:53 RT

Postar um comentário

0 Comentários