Conheça o obuseiro autopropulsado 2S7 Pion desenvolvido na antiga URSS

2S7 Pion

O 2S7 Pion da era soviética apresentava um enorme obus 2A44 de 203 mm sobre o chassi de um tanque T-80 e continua em serviço até hoje.


A doutrina blindada soviética foi totalmente reescrita durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), após a invasão alemã da União Soviética através da Operação Barbarossa. Finalmente, um grande foco foi dado ao suporte de artilharia móvel que envolvia o uso de foguetes (sistemas "Katyusha") com unidades de artilharia rebocadas e, além disso, unidades autopropulsadas (SPA). Essa experiência em tempos de guerra influenciou consideravelmente os projetos que apareceriam após a guerra, que viu veículos com grandes canhões se tornarem a norma no apoio às principais ofensivas. O 2S7 "Pion" (Peônia) foi levado ao inventário em 1976 e seu projeto estava centrado em torno de um enorme canhão de 203 mm que ficava no topo de um chassi sobre lagartas. Apesar de suas raízes na Guerra Fria, este veículo de apoio de fogo eficaz permanece em serviço até hoje. (2015).

Quando reconhecida pelo Ocidente, a OTAN atribuiu ao 2S7 a designação de "M-1975" ("Modelo 1975"). Ele também possuía a designação oficial do Exército Soviético de "SO-203". Quando em serviço, o 2S7 tornou-se o maior veículo de artilharia autopropulsada (SPA) em serviço em qualquer lugar do mundo.

Com a chegada do tanque T-80, o exército soviético tinha um chassi sobre lagartas totalmente moderno para gerar uma linha de veículos associados. O 2S7 foi desenvolvido para apoiar ações ofensivas envolvendo tanques, bem como infantaria e outras unidades móveis para serviços de linha de frente envolvendo fogo indireto. O 2S7 tornou-se um veículo de 46,5 toneladas combinando o obus da série 203 mm 2A44 no topo do chassi do tanque T-80, que utilizava um motor a diesel turboalimentado V-46-I V-12 de 840 cavalos de potência e era montado no meio do casco. O componente do veículo manteve seu sistema de suspensão da barra de torção para viagens fora de estrada e poderia atingir velocidades de 50 km/h com uma autonomia de até 640 km. O comprimento total era de 10,5 metros, com uma largura de 3,38 metros e uma altura de 3 metros.

Visão em três vistas do 2S7 Piat
Visão em três vistas do 2S7 Pion

A equipe operacional padrão era de catorze (sete foram transportadas no veículo primário e o restante eram trazido em um veículo de assistência), embora apenas as posições de direção e comando localizadas na cabine da frente estivessem totalmente protegidas. Isso significava que os artilheiros ficavam completamente expostos na parte traseira do casco e também à mercê dos elementos e de guerra nuclear/biológica/química.


O sistema de canhões 2A44 de 203 mm, com seu sistema integrado de suporte e recuo, estava preso na parte traseira do casco. Seu canhão tinha um alcance de 37,5 quilômetros e podia usar projéteis com auxílio de foguetes (RAPs), que aumentavam drasticamente o alcance para 47 quilômetros, dando ao veículo um forte "empurrão" para o apoio de fogo indireto. O sistema de suporte permitia um deslocamento próprio de 15 graus para a direita ou esquerda antes que todo o veículo precisasse ser virado na direção do fogo desejado. Sua amplitude de elevação era de 0 a +60 graus. Antes do disparo, uma grande pá localizada na parte traseira do casco era abaixada para apoiar o veículo para suportar o impacto das forças de recuo. Um mecanismo de assistência de carregamento auxiliava no processo de recarga que incluía os grandes obuses e os componentes da carga do propelente. As recargas dos projéteis de 203 mm eram conduzidas por um transportador de munição/veículo de recarga comumente colocado em campo com essas unidades. A seção de transporte do canhão 2S7 armazenava em seu casco quatro projéteis de 203 mm prontos para disparar.

Uma bateria de 2S7 Piat disparando
Uma bateria de 2S7 Pion disparando

A designação 2S7 identificava os modelos originais produzidos em 1976 e pequenas melhorias produziram a marca 2S7N nos anos seguintes. O 2S7M "Malka" foi introduzido em 1983 como uma variante modernizada com o Sistema de Controle de Incêndio (FCS) atualizado, maior taxa de tiro (até 2,5 disparos por minuto) e aumento do armazenamento a bordo dos abuses de 203 mm (de quatro para oito). A BTM-4 identificava um projeto fora da linha do 2S7 e era equipado com equipamento de escavação de vala para servir na função de suporte aos destacamentos 2S7.

O 2S7 acabou sendo levado ao inventário de vários aliados soviéticos e países apoiados, incluindo Angola, Azerbaijão, Bielorrússia, Tchecoslováquia, Geórgia, Polônia, Eslováquia (número limitado), Ucrânia e Uzbequistão. Antigos exemplares soviéticos foram absorvidos pelo novo exército russo após a queda do Império Soviético, enquanto outros encontrados em antigos países foram reconstituídos pelos exércitos locais. A Tchecoslováquia utilizou a série de veículos de 1984 a 1994, após a qual foram vendidos exemplares para Angola. Exemplares poloneses foram retirados em 2006.


Devido à necessidade de grandes canhões no conflito em andamento em Donbass (2014-presente) entre a Ucrânia e a Rússia, os estoques ucranianos de sistemas 2S7 - uma vez depositados na reserva/armazenamento - foram reformados para o serviço ativo mais uma vez. A Ucrânia já controlou um estoque de cerca de 99 veículos 2S7 em uma ocasão.

Visão em corte do 2S7 Pion
Visão em corte do 2S7 Pion


Especificações

Ano: 1976

Fabricante (s): Fábricas estatais - União Soviética

Produção: 1.000

Capacidades: Suporte / Assalto / Violação de Incêndio;

Tripulação: 7

Comprimento: 43,04 pés (13,12 m)

Largura: 11,09 pés (3,38 m)

Altura: 9,84 pés (3 m)

Peso: 51 toneladas (46.500 kg); 102.515 lb

Potência: 1 x V-46-I V-12, motor a diesel de refrigeração líquida, desenvolvendo 840 cavalos de potência.

Velocidade: 50 km / h

Alcance: 650 milhas

Armamento

1 x canhão principal de 203,2 mm

Munição

4 projéteis de 203,2 mm (depois 8); Projéteis Assistidos por Foguete (RAPs) também suportados para aumentar o alcance dos engajamentos; Recargas fornecidas através do veículo transportador de munição que o acompanha.

Variantes/Modelos

• 2S7 "Pion" - Designação da Série Base

• 2S7N - Veículos de produção posteriores

Operadores

Angola; Azerbaijão; Bielorrússia; Checoslováquia; Georgia; Polônia; Rússia; União Soviética; Eslováquia; Ucrânia; Usbequistão.

Traduzido por Pacto de Varsóvia

10-08-2018 Military Factory

Postar um comentário

0 Comentários