Conheça o supercaçador noturno da Rússia: o Mil Mi-28NM


Mil Mi-28NM

Não é um super-herói dos quadrinhos, mas o mais novo helicóptero de ataque russo.

O Mi-28NM, a mais recente atualização do Mi-28 (codinome da OTAN "Havoc"), está equipado com sensores avançados que permitem realizar operações noturnas, segundo o jornal russo Izvestia.

“A principal novidade do Mi-28NM é o radar N025E, que antes era instalado apenas em modelos de exportação”, diz o Izvestia. 


“A antena que recebe e transmite parte do radar está localizada acima do rotor do helicóptero. Pelo lado, parece uma bola - é uma carenagem especial feita de material permeável ao rádio. Esse arranjo do radar fornece uma visão circular e também permite que você receba uma imagem do terreno do radar, ocultando-se em terrenos irregulares atrás de obstáculos naturais e artificiais, permanecendo invisível ao inimigo. No campo de batalha, a estação de radar pode efetivamente operar a partir de uma emboscada, o primeiro ataque inesperado ao inimigo.”

O Mi-28, sucessor do mais robusto Mi-24 Hind da Guerra Fria e o equivalente do Apache, é um projeto do início dos anos 80. O Mi-28N estreou nos anos 90, com o modelo NM como sua última iteração. O Mi-28NM de 9 toneladas tem uma velocidade máxima de 300 quilômetros por hora (186 milhas por hora), um alcance de 450 quilômetros (280 milhas) e pode transportar 2.300 kg de material bélico, de acordo com a Izvestia. O armamento inclui um canhão de 30 milímetros, mísseis anti-tanque 9M120 Ataka e casulos para foguetes.

Diferenças entre o Mi-28N e NM
Diferenças entre o Mi-28N e NM

Significativamente, dada a recente disposição da Rússia de empregar forças militares no exterior, o artigo do Izvestia enfatizou que o motor VK-2500P-01/PS do Mi-28NM pode operar em climas severos: “Novas soluções de projeto garantem operação confiável em áreas não apenas com clima temperado, mas também em áreas desérticas com altas temperaturas, bem como em condições de altas montanhas, como, por exemplo, na Síria.”

Além disso, o mais novo Havoc possui recursos de rede. “A eletrônica permitirá que os pilotos recebam designações de alvos de aeronaves avançadas e unidades de inteligência, o que aumentará bastante a eficácia da interação com forças terrestres, uma vez que os alvos detectados podem ser destruídos quase instantaneamente”, diz o Izvestia.


O Mi-28NM faz parte do plano da Rússia de modernizar seus helicópteros de ataque. “Além do Mi-28NM, ele também atingirá a série MI-35”, diz o Izvestia. “Este ano, começa o programa de atualização de helicópteros Mi-35M para Mi-35MV: nova blindagem, motores e ópticas de longo alcance serão instaladas neles, o que lhes permitirá encontrar alvos e destruí-los a qualquer hora do dia e em qualquer clima a uma distância de vários quilômetros. Os helicópteros também receberão um sistema de guerra eletrônica e proteção contra sistemas de defesa aérea portáteis. O novo equipamento transformará o helicóptero em uma modera aeronave de ataque.”

O interessante é quanto da tecnologia apresentada pelo Izvestia é comum nas forças armadas ocidentais. Por exemplo, desde o final dos anos 90, o estadunidense AH-64D Apache Longbow possui um radar montado no topo de seu mastro (o eixo vertical ao qual o rotor está conectado). Redes táticas, nas quais um veículo ou aeronave pode passar dados de direcionamento para outra plataforma que lança um míssil, também são comuns. Os Apaches dos EUA possuem sofisticados sensores térmicos e de radar para operações noturnas.

Ainda assim, o Mi-28NM indica que a Rússia continua melhorando a capacidades dos seus helicópteros de ataque.

Traduzido por Pacto de Varsóvia.

12 de julho de 2019 The National Interest

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.