O mito do Lend-Lease desvendado: a ajuda dos EUA foi tão útil assim?



O Presidente Roosevelt assina o projeto de lei Lend-Lease

A Lei de Empréstimo e Arrendamento, ou "A Lei para Promover a Defesa dos Estados Unidos", assinada pelo Presidente Roosevelt em 11 de março de 1941, concedeu ao presidente dos EUA o direito de vender, transferir títulos, trocar, arrendar, emprestar ou alienar ... qualquer artigo de defesa ... para o governo de qualquer país cuja defesa o Presidente julgue vital para a defesa dos Estados Unidos.” O termo “qualquer artigo de defesa” foi entendido como armas, equipamento militar, munições, matérias-primas estratégicas, munição, alimentos e bens civis exigidos pelo exército e pelas forças de defesa da pátria, bem como qualquer informação de importância militar.


A estrutura da Lei Lend-Lease exigia que o país destinatário cumprisse várias condições:

  1. O pagamento não será exigido para itens desparecidos, perdidos ou destruídos durante as hostilidades, mas qualquer propriedade que sobreviva e seja adequada para uso civil deve ser paga no todo ou em parte, como pagamento de um empréstimo de longo prazo concedido pelos EUA
  2. Os artigos militares armazenados nos países destinatários podem permanecer lá até que os EUA solicitem seu retorno
  3. Por sua vez, todos os arrendamentos devem ajudar os Estados Unidos a usar todos os recursos e informações em seu poder

A Lei Lend-Lease exigia que os países solicitassem assistência americana para fornecer aos EUA um relatório financeiro completo. O secretário do Tesouro dos EUA, Henry Morgenthau Jr., estava certo ao reconhecer esse requisito como algo sem precedentes nos assuntos mundiais, alegando durante uma audiência no Comitê do Senado que, pela primeira vez na história, um estado e um governo estavam voluntariamente fornecendo informações a outro sobre seus próprios recursos financeiros.


Com a ajuda da Lei Lend-Lease, o governo do Presidente Roosevelt se preparou para abordar uma série de questões urgentes, tanto estrangeiras quanto domésticas. Primeiro, sua estrutura tornaria possível a criação de novos empregos nos EUA, que ainda não haviam emergido totalmente da extrema crise econômica de 1929-1933. Segundo, a Lei de Empréstimos e Arrendamentos possibilitou ao governo americano exercer um certo grau de influência sobre os países no recebimento da assistência de empréstimos e arrendamentos. Terceiro, enviando armas, bens e matérias-primas a seus aliados, mas não soldados, o Presidente Roosevelt conseguiu manter-se fiel à promessa de sua campanha, na qual ele prometeu: “Seus filhos não serão enviados a nenhuma guerra estrangeira.

O sistema de empréstimo-arrendamento não foi de forma alguma planejado para ajudar a URSS. Os britânicos foram os primeiros a solicitar assistência militar com base nesse relacionamento especial de leasing (que era semelhante a um leasing operacional) no final de maio de 1940, quando a derrota esmagadora da França deixou a Grã-Bretanha sem aliados militares no continente europeu. Londres pediu a Washington 40-50 destróieres “antigos”, oferecendo três opções de pagamento: obtê-los gratuitamente, pagar em dinheiro ou alugar. O Presidente Roosevelt aceitou rapidamente a terceira opção, e essa transação foi concluída no final do verão de 1940.

Nesse ponto, funcionários do Departamento do Tesouro dos EUA tiveram a ideia de adotar o conceito por trás desse acordo privado e estendê-lo para aplicar a todas as relações intergovernamentais. Os departamentos de Guerra e Marinha foram convocados para ajudar a desenvolver o projeto de lei de empréstimos e arrendamentos. Em 10 de janeiro de 1941, a administração presidencial dos EUA levou esse ato em consideração perante as duas casas do Congresso, onde foi aprovado em 11 de março. Em setembro de 1941, após muito debate, o Congresso dos EUA aprovou o que era conhecido como Programa da Vitória, cuja essência, segundo historiadores militares dos EUA (Richard Leighton e Robert Coakley), era que “a contribuição da América para a guerra seria em armas, não exércitos.”

Em 1º de outubro de 1941, o Comissário do Povo para os Negócios Estrangeiros, Vyacheslav Molotov, o Ministro britânico do Suprimento, Lord Beaverbrook, e o Enviado Especial dos EUA Averell Harriman assinaram o Primeiro Protocolo (Moscou), que marcou o início da expansão do programa a União Soviética. Vários protocolos adicionais foram posteriormente assinados.

O presidente americano Franklin Roosevelt e o Comissário do Povo para os Negócios Estrangeiros Viacheslav Molotov discutindo a Segunda Guerra Mundial, na Casa Branca, Washington, EUA, 1942.
O presidente americano Franklin Roosevelt e o Comissário do Povo para os Negócios Estrangeiros Viacheslav Molotov discutindo a Segunda Guerra Mundial, na Casa Branca, Washington, EUA, 1942.


Quão importante foi o contrato de empréstimo dos EUA?

Durante a guerra, as fábricas soviéticas produziram mais de 29,1 milhões de armas leves de todos os principais tipos, enquanto apenas 152 mil armas leves (0,5% do total) foram fabricadas por fábricas americanas, britânicas e canadenses. Olhando para todos os tipos de sistemas de artilharia de todos os calibres, vemos uma imagem semelhante - 647.600 armas e morteiros soviéticos vs. 9.400 de origem estrangeira, representando menos de 1,5% do total.

Os números são menos sombrios para outros tipos de armas: a proporção de tanques domésticos vs. aliados e artilharia autopropulsada foi, respectivamente, 132.800 vs. 11.900 (8,96%) e para aviões de combate - 140.500 vs. 18.300 (13%).

Dos quase US$ 46 bilhões gastos em toda a ajuda de empréstimos e arrendamentos, os EUA destinaram apenas US$ 9,1 bilhões ao Exército Vermelho que derrotou a grande maioria das divisões alemãs e seus satélites militares, ou seja, apenas pouco mais de 20% dos fundos.

Durante esse período, o Império Britânico recebeu mais de US$ 30,2 bilhões, a França - US$ 1,4 bilhão, a China - US$ 630 milhões e até a América Latina (!) Recebeu US$ 420 milhões. Os suprimentos de empréstimos e arrendamentos foram distribuídos para 42 países diferentes.


Mas talvez, apesar do fato de as quantidades de assistência transatlântica serem razoavelmente insignificantes, seja possível que ela tenha desempenhado um papel decisivo em 1941, quando os alemães estavam nos próprios portões de Moscou e Leningrado, e a 24-40 km da Praça Vermelha?

Vejamos as estatísticas para remessas de armas desse ano. Desde o início da guerra até o final de 1941 , o Exército Vermelho recebeu 1,76 milhão de fuzis, armas automáticas e metralhadoras, 53.700 peças de artilharia e morteiros, 5.400 tanques e 8.200 aviões de guerra. Destes, nossos aliados na coalizão anti-Hitler forneceram apenas 82 peças de artilharia (0,15%), 648 tanques (12,14%) e 915 aviões (10,26%). Além disso, grande parte do equipamento militar enviado - em particular, 115 dos 466 tanques fabricados no Reino Unido - nem chegou à frente no primeiro ano da guerra.

Se convertermos essas remessas de armas e equipamentos militares em seu equivalente monetário, então, de acordo com o conhecido historiador Mikhail Frolov, DSc (Velikaya Otechestvennaya Voina 1941-1945 v Nemetskoi Istoriografii. [A Grande Guerra Patriótica de 1941-1945 na historiografia alemã], St. Petersburg: 1994), “até o final de 1941 - o período mais difícil para o estado soviético - nos termos da Lei Lend-Lease, os EUA enviaram à URSS materiais no valor de US$ 545.000, dos US$ 741 milhões em suprimentos enviados a todos os países que faziam parte da coalizão anti-Hitler.” Isso significa que, durante esse período extraordinariamente difícil, menos de 0,1% da ajuda americana foi para a União Soviética.

“Além disso, os primeiros embarques de empréstimos durante o inverno de 1941-1942 chegaram à URSS muito tarde, embora durante esses meses críticos a Rússia tenha conseguido uma luta impressionante contra os agressores alemães por conta própria, sem qualquer assistência vinda das democracias do Ocidente. Até o final de 1942, apenas 55% das entregas programadas haviam chegado à URSS.”

Por exemplo, em 1941, os Estados Unidos prometeram enviar 600 tanques e 750 aeronaves, mas na verdade enviaram apenas 182 e 204, respectivamente.

Em novembro de 1942, ou seja, no auge da batalha pelo Cáucaso e Stalingrado , as entregas de armas praticamente pararam completamente. As interrupções nos embarques já haviam começado no verão de 1942, quando aeronaves e submarinos alemães destruíram quase inteiramente o infame Comboio PQ 17 que foi abandonado (por ordem do Almirantado) pelos destróieres britânicos designados para escoltá-lo. Tragicamente, apenas 11 dos 35 navios originais chegaram em segurança aos portos soviéticos - uma catástrofe usada como pretexto para suspender comboios subsequentes da Grã-Bretanha até setembro de 1942.

Um novo comboio, o PQ 18, perdeu 10 de seus 37 navios ao longo de sua rota, e outro comboio não foi enviado até meados de dezembro de 1942. Assim, por três meses e meio, quando uma das batalhas mais decisivas de toda a Segunda Guerra Mundial estava sendo travada no Volga, menos de 40 navios que transportavam carga de arrendamento mercantil chegaram intermitentemente em Murmansk e Arkhangelsk. Por esse motivo, muitos estavam compreensivelmente desconfiados de que Londres e Washington estivessem gastando esse tempo apenas esperando para ver quem seria deixado em pé após a batalha de Stalingrado.

Como resultado, entre 1941 e 1942, apenas 7% da carga de guerra expedida dos EUA chegou à União Soviética. A maior parte das armas e outros materiais chegou à União Soviética em 1944-1945, uma vez que os ventos da guerra haviam mudado decisivamente.

Qual era a qualidade do equipamento militar do empréstimo-arrendamento?

Dos 711 aviões de combate que chegaram à URSS do Reino Unido no final de 1941, 700 eram modelos irremediavelmente antiquados, como Kittyhawk, Tomahawk e Hurricane, que eram significativamente inferiores aos Messerschmitts alemães e Yakolev Yaks soviéticos, ambos em velocidade e agilidade, e nem estavam equipados com armas. Mesmo que um piloto soviético conseguisse posicionar um ás alemão voador na mira de sua metralhadora, as armas com calibre de fuzil eram muitas vezes completamente inúteis contra a blindagem robusta do avião alemão. Quanto aos mais novos aviões de combate Airacobra, apenas 11 foram entregues em 1941. E o primeiro Airacobra chegou à União Soviética desmontado, sem qualquer tipo de documentação, já que há muito tempo perderam a sua vida útil.

Aliás, esse também foi o caso dos dois esquadrões de caças Hurricane que estavam armados com canhões de 40 mm projetados para atacar veículos blindados alemães. Mas esses aviões de combate acabaram sendo tão inúteis que ficaram de fora da guerra na URSS, porque nenhum piloto do Exército Vermelho foi encontrado disposto a pilotá-los.


Uma situação semelhante foi observada com os tanques leves britânicos Valentine, que os tanquistas soviéticos apelidaram de “Valentinas” e os tanques médios Matilda, para os quais esses tanquistas reservaram um epíteto mais assustador: “Adeus à Nossa Pátria”. Sua blindagem fina, motores a gasolina altamente inflamáveis ​​e transmissões positivamente pré-históricas os tornaram presas fáceis para artilheiros alemães e lançadores de granadas.

De acordo com Valentin Berezhkov, intérprete de Joseph Stalin que participou de todas as negociações entre líderes soviéticos e visitantes anglo-americanos, Stalin frequentemente ficava profundamente ofendido pelas ações britânicas: a oferta de aeronaves obsoletas como o Hurricane como propaganda da concessão de empréstimos, em vez de caças mais novos como o Spitfire. Além disso, em setembro de 1942, em uma conversa com Wendell Willkie, líder do Partido Republicano dos EUA, Stalin perguntou-lhe à queima-roupa diante dos embaixadores americanos e britânicos William Standley e Archibald Clark Kerr: por que os governos britânico e americano fornecem equipamentos de baixa qualidade à União Soviética?

Ele explicou que estava falando principalmente das remessas de P-40 americanos em vez dos Airacobras muito mais atualizados, e acrescentou que os britânicos estavam fornecendo caças Hurricane completamente inadequados, muito inferiores aos que os alemães tinham. Stalin afirmou que uma vez quando os americanos estavam se preparando para enviar 150 Airacobras para a União Soviética, os britânicos interviram e os guardaram para si. "Sabemos que americanos e britânicos têm aviões iguais ou melhores que os modelos alemães, mas, por alguma razão, muitos deles não estão entrando na União Soviética."

O embaixador americano, almirante Standley, não sabia nada sobre isso, mas o embaixador britânico, Archibald Clark Kerr, admitiu que estava ciente do evento Airacobra, mas defendeu seu redirecionamento com a desculpa de que nas mãos britânicas esses caças seriam muito mais valiosos à sua causa aliada comum do que se acabassem na União Soviética...

Tanques obsoletos M2 Stuart sendo enviados a União Soviética
Tanques obsoletos M2 Stuart sendo enviados a União Soviética

Auxílios não letais para concessão de empréstimos

Além de armas, outros suprimentos também foram fornecidos sob contrato de arrendamento. E esses números são absolutamente indiscutíveis.

Especificamente, a URSS recebeu 2.586.000 toneladas de combustível de aviação, uma quantidade igual a 37% do que foi produzido na União Soviética durante a guerra, além de quase 410.000 automóveis, representando 45% da frota de veículos do Exército Vermelho (sem contar os carros capturados do inimigo). Os embarques de alimentos também tiveram um papel significativo, embora muito pouco tenha sido fornecido durante o primeiro ano da guerra, e os EUA forneceram apenas cerca de 15% da carne enlatada e outros não-perecíveis para a URSS.

Esse suporte também incluía máquinas, trilhos de trem, locomotivas, vagões, equipamentos de radar e outros itens úteis sem os quais a máquina de guerra poderia fazer pouco progresso.


É claro que esta lista de auxílios parece muito impressionante, e pode-se sentir uma sincera admiração pelos parceiros americanos na coalizão anti-Hitler, exceto por um pequeno detalhe: os fabricantes americanos também estavam ao mesmo tempo fornecendo a Alemanha nazista...

Por exemplo, John D. Rockefeller Jr. detinha o controle acionário da corporação Standard Oil, mas o próximo maior acionista era a empresa química alemã IG Farben, através da qual a empresa vendeu US$ 20 milhões em gasolina e lubrificantes aos nazistas. E o ramo venezuelano dessa empresa enviava 13.000 toneladas de petróleo bruto para a Alemanha a cada mês, que a robusta indústria química do Terceiro Reich imediatamente converteu em gasolina. Mas os negócios entre os dois países não se limitaram às vendas de combustíveis - além disso, tungstênio, borracha sintética e muitos componentes diferentes para a indústria automobilística também estavam sendo enviados através do Atlântico ao Führer alemão por Henry Ford. Em particular, não é segredo que 30% de todos os pneus produzidos em suas fábricas foram usados ​​para abastecer a Wehrmacht alemã.

John D. Rockefeller Jr. na capa da revista Time de janeiro de 1925
John D. Rockefeller Jr. na capa da revista Time de janeiro de 1925

Os detalhes completos de como os Fords e Rockefellers conspiraram para abastecer a Alemanha nazista ainda não são totalmente conhecidos porque esses são segredos comerciais estritamente guardados, mas mesmo o pouco que foi tornado público e reconhecido pelos historiadores deixa claro que a guerra não reduziu de maneira alguma o ritmo do comércio dos EUA com Berlim.

O empréstimo-arrendamento não era caridade

Há uma percepção de que os Estados Unidos ofereceram ajuda de empréstimos e arrendamentos a partir da bondade de seu coração. No entanto, esta versão não se sustenta após uma inspeção mais detalhada. Antes de tudo, isso ocorreu por causa de algo chamado "empréstimo reverso". Mesmo antes do término da Segunda Guerra Mundial, outras nações começaram a enviar a Washington matérias-primas essenciais, avaliadas em quase 20% dos materiais e armas que os EUA enviaram para o exterior. Especificamente, a URSS forneceu 32.000 toneladas de manganês e 300.000 toneladas de minério de cromo, altamente valorizadas pela indústria militar. Basta dizer que, quando a indústria alemã foi privada do manganês dos ricos depósitos em Nikopol como resultado da ofensiva soviética Nikopol – Krivoi Rog em fevereiro de 1944, a blindagem frontal de 150 mm do tanque alemão Tigre Real se tornou muito mais vulnerável aos projéteis de artilharia soviética do que a placa de blindagem de 100 mm anteriormente encontrada nos tanques Tigre normais.

Além disso, a URSS pagou pelas remessas aliadas com ouro. De fato, o cruzador britânico, o HMS Edinburgh , carregava 5,5 toneladas desse metal precioso quando foi afundado por submarinos alemães em maio de 1942.

A União Soviética também devolveu grande parte do armamento e equipamento militar após a guerra, conforme estipulado no contrato de arrendamento. Em troca, eles receberam uma fatura de US$ 1,3 bilhões. Dado o fato de que as dívidas de empréstimos e arrendamentos para outras nações haviam sido reduzidas, isso parecia um assalto à mão armada, e Stalin exigiu que a “dívida aliada” fosse recalculada.

Russos recebem pacotes de mantimentos através do Programa Lend-Lease
Russos recebem pacotes de mantimentos através do Programa Lend-Lease

Posteriormente, os americanos foram forçados a admitir seu erro, mas aumentaram os juros devidos no total geral, e o valor final, incluindo esses juros, chegou a US$ 722 milhões , valor aceito pela URSS e pelos EUA sob um acordo de ajustamento assinado em Washington em 1972. Desse montante, US$ 48 milhões foram pagos aos EUA em três parcelas iguais em 1973, mas os pagamentos subsequentes foram cortados quando os EUA introduziram práticas discriminatórias em suas trocas comerciais com a URSS (em particular, a famosa Emenda Jackson-Vanik).

As partes não voltaram à discussão sobre a dívida até junho de 1990, durante uma nova rodada de negociações entre os presidentes George Bush Sr. e Mikhail Gorbachev, durante as quais um novo prazo foi estabelecido para o pagamento final - que seria em 2030 - e a dívida total em aberto foi reconhecida em US$ 674 milhões.


Após o colapso da União Soviética, suas dívidas foram categorizadas como dívida soberana (o Clube de Paris) ou dívidas a bancos privados (Clube de Londres). A dívida de arrendamento mercantil era um passivo devido ao governo dos EUA e faz parte da dívida do Clube de Paris, que a Rússia pagou integralmente em agosto de 2006.

Discurso direto

O presidente dos EUA, Franklin D. Roosevelt, declarou explicitamente que a ajuda à Rússia era dinheiro bem gasto, e seu sucessor na Casa Branca, Harry Truman, foi citado nas páginas do New York Times em junho de 1941, dizendo: “Se nós vemos que a Alemanha irá vencer a guerra, devemos ajudar a Rússia; e se a Rússia está vencendo, devemos ajudar a Alemanha e, assim, deixá-los matarem-se o maior número possível...”

A primeira avaliação oficial do papel desempenhado pela ajuda na concessão de empréstimos na maior vitória sobre o nazismo foi fornecida pelo presidente da Gosplan, Nikolai Voznesensky, em seu trabalho Voennaya Ekonomika SSSR v Period Otechestvennoi Voiny [O Complexo Militar Soviético Durante a Grande Guerra Patriótica] (Moscow: Gospolitizdat, 1948), onde escreveu: “Se alguém compara a quantidade de bens industriais enviados pelos Aliados à URSS com a quantidade de bens industriais produzidos pelas fábricas socialistas na União Soviética, é evidente que os primeiros são iguais a apenas cerca de 4% do que foi produzido domesticamente durante os anos da economia de guerra.

Nikolay Voznesensky (1903-1950)
Nikolay Voznesensky (1903-1950)

Os próprios estudiosos e oficiais militares e do governo norte-americanos (Raymond Goldsmith, George Herring e Robert H. Jones) reconhecem que toda a ajuda aliada à URSS era igual a não mais que 1/10 da produção de armas dos próprios soviéticos e o total a quantidade de suprimentos de empréstimos e arrendamentos, incluindo as latas conhecidas de Spam, sarcasticamente referidas pelos russos como "Segunda Frente", representavam cerca de 10 a 11%.

Além disso, o famoso historiador americano Robert Sherwood, em seu livro de referência Roosevelt e Hopkins: An Intimate History (Nova York: Grossett & Dunlap, 1948), citou Harry Hopkins como alegando que os americanos “nunca acreditaram que nossa ajuda ao Lend Lease tivesse sido o fator principal da derrota de Hitler pelos soviéticos na frente oriental. Que isso foi feito pelo heroísmo e pelo sangue do exército russo.”


O primeiro-ministro britânico, Winston Churchill, certa vez chamou o arrendamento como o ato financeiro mais altruísta e desagradável de qualquer país de toda a história. No entanto, os próprios americanos admitiram que o arrendamento gerava uma renda considerável para os EUA. Em particular, o ex-secretário de Comércio dos EUA, Jesse Jones, afirmou que os EUA não apenas recuperaram seu dinheiro através de suprimentos enviados pela URSS, mas também obtiveram lucros, o que, segundo ele, não era incomum nas relações comerciais regulamentadas pelas agências estatais americanas.

Seu colega americano, o historiador George Herring, escreveu com franqueza que o empréstimo não era, na verdade, o ato mais altruísta da história da humanidade, mas um ato de egoísmo prudente, com os americanos plenamente conscientes de como eles poderiam se beneficiar.

Capa do livro 'The Good War: An Oral History of World War II (1984)'
Capa do livro 'The Good War: An Oral History of World War II (1984)'

E esse foi realmente o caso, pois o empréstimo provou ser uma fonte inesgotável de riqueza para muitas empresas americanas. De fato, os Estados Unidos foram o único país da coalizão anti-Hitler a colher significativos dividendos econômicos da guerra. Há uma razão pela qual os americanos costumam se referir à Segunda Guerra Mundial como "a boa guerra", como evidenciado, por exemplo, no título do livro do famoso historiador americano Studs Terkel: The Good War: An Oral History of World War II. Com um cinismo descarado, ele citou: “Enquanto o resto do mundo saiu ferido, com cicatrizes e quase destruído, saímos com as mais inacreditáveis máquinas, ferramentas, mão de obra, dinheiro​​... A guerra foi divertida para a América. Não estou falando das pobres almas que perderam filhos e filhas. Mas, para o resto de nós, a guerra foi muito boa.

Traduzido por Pacto de Varsóvia.

12/05/2015 Oriental Review

Postar um comentário

0 Comentários