Força Aérea dos EUA cancela projeto de arma hipersônica

Avião hipersônico norte-americano X-51A (imagem referencial)

A Força Aérea dos EUA alegou "prioridades orçamentárias" para cancelar o desenvolvimento do programa de mísseis hipersônicos HCSW, mantendo o financiamento da Arma de Resposta Rápida de Lançamento Aéreo (ARRW).

Dessa maneira, Washington optou por manter o programa ARRW, com seu projétil de lançamento aéreo AGM-183, pois possui um corpo planador "único" em comparação com a Arma de Ataque Convencional Hipersônica (HCSW), um míssil de cruzeiro ar-terra de longo alcance que poderia ser lançado a partir de aviões e voaria a velocidades superiores a Mach 5.




Um Centro de Testes de Voo da Força Aérea dos EUA B-52 Stratofortress da Base da Força Aérea de Edwards, Califórnia, carrega um Waverider X-51A antes do primeiro teste de voo hipersônico do scramjet em 26 de março de 2010. (Força Aérea dos EUA)
Um Centro de Testes de Voo da Força Aérea dos EUA B-52 Stratofortress da Base da Força Aérea de Edwards, Califórnia, carrega um Waverider X-51A antes do primeiro teste de voo hipersônico do scramjet em 26 de março de 2010. (Força Aérea dos EUA)


Assim, a Força Aérea espera investir US$ 576 milhões (R$ 2,5 bilhões) em protótipos hipersônicos durante 2020 e US$ 382 milhões (R$ 1,6 bilhão) em 2021. Vale ressaltar que, com o cancelamento do projeto, a Lockheed Martin perderá cerca de US$ 1 bilhão (R$ 4,3 bilhões), segundo a Air Force Magazine.

A empresa havia obtido o contrato de desenvolvimento no valor US$ 928 milhões (R$ 4 bilhões) em abril de 2018.

04:48 12.02.2020 (atualizado 05:19 12.02.2020) Sputnik

Postar um comentário

0 Comentários