O MiG-29 da Rússia tem uma nova missão: destruir blindados

28 de fevereiro de 2020 The National Interest

O MiG-29 da Rússia tem uma nova missão: destruir blindados

Para uma grande potência militar como a União Soviética e sua sucessora russa, sempre haverá um excesso de aeronaves com funções a serem preenchidas nos vários níveis de intensidade e usos operacionais.

Como em muitas das aeronaves mais prolíficas da Rússia, o MiG-29 gerou inúmeras variantes por quatro décadas de serviço. Originalmente concebido como um caça de superioridade aérea, e particularmente como a resposta soviética ao F-16, o MiG-29 foi gradualmente reformulado como uma aeronave multifuncional com um conjunto de armamento ar-superfície cada vez mais robusto.


O novo objetivo do MiG-29 esteve em plena exibição durante exercício de combate recente nos campos de treinamento de Ashuluk, perto da região de Astrakhan, no sudoeste da Rússia. Em uma rara divulgação de exercícios com aeronaves russas de destaque, um esquadrão de MiG-29SMT atualizados foi empregado com o objetivo explícito de neutralizar “terroristas internacionais.” Especificamente, eles estavam praticando ataques aéreos coordenados contra colunas de blindados leves.

A TV Zvezda, o canal de televisão oficial do Ministério da Defesa da Rússia, divulgou um clipe do exercício.

A filmagem mostra o voo do MiG-29SMT em formação, antes de dar uma olhada rápida nos aviônicos parcialmente digitais do SMT. Um caça pode ser visto disparando; o momento do impacto não foi mostrado, mas a Zvezda relata que os SMT dispararam foguetes S-13 não guiados em uma coluna de blindados leves com bom efeito sobre o alvo (GEOT). Os MiG-29SMT antes de retornar à base, iniciaram  manobras de combate aéreo em duplas.


Sem surpresa, o pacote de atualização SMT gira em torno de uma capacidade de ataque ao solo muito aprimorada. Ele fornece ao MiG-29 acesso a um conjunto expandido de mísseis ar-superfície e anti-navio Kh-29, Kh-31 e Kh-25, com seis cabides externos para sua instalação. Como em quase todas as aeronaves da era soviética, é compatível com a linha altamente versátil de foguetes não-guiados S-13 acima mencionados. Além das melhorias típicas da modernização em aviônicos atualizados e do aumento das ferramentas de ECM (contramedidas eletrônicas), o SMT apresenta um novo conjunto de antenas mais adequado para a detecção de alvos terrestres.

O armamento de ataque ao solo disponível para o MiG-29
O armamento de ataque ao solo disponível para o MiG-29

O SMT ainda é considerado uma variante MiG-29 de primeira geração, mas, no entanto, apresenta muitas das melhorias introduzidas pelo MiG-29M de segunda geração. Foi o MiG-29M que modernizou a fórmula básica do MiG-29, introduzindo uma nova célula mais leve para aumentar a capacidade de manobra e - ao abordar uma das principais críticas de seu antecessor - um alcance de combate drasticamente aumentado de 2.000 quilômetros, em oposição aos 1.500 km do MiG-29 original. O caminho de atualização do MiG-29M será totalmente finalizado com o próximo MiG-35, um caça multifuncional profundamente modernizado que avança a fórmula MiG-29M com aviônicos de quinta geração e um radar proprietário AESA (Zhuk-AE).

Compreensivelmente, há uma tentação de ver essas muitas variantes do MiG-29 em um espectro de progressão linear; de um modelo substituindo o seguinte em um ciclo constante de aprimoramento tecnológico. Mas, como discutido anteriormente pelo The National Interest, esse é um equívoco total na estratégia russa de desenvolvimento de aeronaves militares. O MiG-29M não se tornará obsoleto com o lançamento iminente do MiG-35, assim como os modelos MiG-29 de primeira geração não ficaram obsoletos com o MiG-29M.


Para uma grande potência militar como a União Soviética e seu sucessor russo, sempre haverá um excesso de aeronaves com funções a serem preenchidas nos vários níveis de intensidade e usos operacionais. À medida que um caça feito para uma guerra de alta intensidade em espaço aéreo hostil se torna desatualizado em relação aos combatentes e defesas aéreas oponentes, ele não é mais capaz de desempenhar seu papel original. Mas, da patrulha ao apoio às missões de combate de baixa intensidade, ainda existem muitas funções para ele desempenhar. Nesse ponto, ele pode simplesmente ser adaptado e reposicionado conforme necessário. Claro, também pode ser vendido; as aeronaves soviéticas mais antigas são responsáveis ​​por grande parte dos contratos de exportação de armas da Rússia com compradores asiáticos e do Oriente Médio, que tendem a priorizar o valor bruto do desempenho em detrimento das últimas novidades tecnológicas.

Em resumo, esta é a história do desenvolvimento do MiG-29 durante quatro décadas e a principal força motriz por trás da prevalência de inúmeras variantes de aeronaves na lista da Força Aérea Russa.

Traduzido por Pacto de Vasóvia.

Postar um comentário

0 Comentários