A Turquia poderá usar suas novas armas russas contra seu criador?

03 DE MARÇO DE 2020 Russia Beyond



O sistema de defesa aérea S-400 tem o potencial de transformar os céus turcos em uma zona de exclusão aérea para todos os caças e bombardeiros inimigos, tornando inexpugnável as fronteiras desse membro da OTAN. A Rússia está entregando voluntariamente sua arma mais poderosa justamente quando a situação em Idlib piora?

A Turquia tornou-se um dos primeiros clientes da Rússia do sistema de defesa aérea S-400 Triumf, o mais avançado do gênero no mundo e o orgulho do complexo industrial militar russo.


Ancara comprou dois S-400, que devem ser entregues em abril-maio ​​de 2020. O contrato, assinado em 2018 pelos presidentes dos dois países, vale aproximadamente US$ 2,5 bilhões.

Mas devido à escalada em Idlib, se Ankara realmente os receberá depende dos resultados das negociações na Síria a serem realizadas entre Vladimir Putin e Recep Erdogan em março de 2020.

Conteúdo

Ancara comprou dois S-400, que devem ser entregues em abril-maio ​​de 2020.
Ancara comprou dois S-400, que devem ser entregues em abril-maio ​​de 2020.

Cada bateria contém quatro lançadores armados com quatro mísseis, resultando em um total de 16 mísseis por bateria, capazes de abater caças de quinta geração e mísseis de cruzeiro a uma distância de 200 quilômetros.

E isso sem levar em consideração a munição de reserva. O contrato também inclui vários veículos de transporte de carga, estações de radar, um posto de comando e vários veículos de apoio.

Além disso, os atiradores antiaéreos turcos que operarão o sistema deverão ser treinados na Rússia.


Fator de risco

De acordo com o contrato entre Moscou e Ancara, a manutenção do S-400 será realizada nas fábricas de Almaz-Antey na Rússia.
De acordo com o contrato entre Moscou e Ancara, a manutenção do S-400 será realizada nas fábricas de Almaz-Antey na Rússia.

A Turquia poderá derrubar aeronaves russas com o S-400? A opinião de especialistas varia sobre esse assunto.

Por exemplo, o editor-chefe da revista Arsenal da Pátria, Viktor Murakhovsky, acredita que “hipoteticamente isso poderia acontecer, já que, sob o contrato, a Rússia entregará não apenas os lançadores de mísseis, mas também parte da tecnologia S-400.”


No entanto, o analista militar da TASS Viktor Litovkin descarta esse cenário.

“Não damos aos outros países os códigos de acesso às nossas armas de precisão. O equipamento de qualquer sistema de defesa aérea do mundo é codificado na fábrica. Se lançássemos um ciclo de produção completo na Turquia, isso seria possível. Mas, de acordo com o contrato entre Moscou e Ancara, a manutenção do S-400 será realizada nas fábricas de Almaz-Antey na Rússia ”, disse ele.

Ele possui um sistema de amigo ou inimigo para identificar alvos aéreos, observou ele.

“Esta não é a primeira vez que a Rússia fornece uma arma de precisão a um país da OTAN que pode se voltar contra nós em um conflito hipotético. Questões semelhantes surgiram em 1996, quando Moscou vendeu a Atenas o sistema S-300, que na época poderia abater qualquer caça ou bombardeiro existente”, acrescentou o analista militar.

Na sua opinião, os sistemas S-400 na Turquia não serão capazes de distinguir entre aeronaves russas e turcas - a menos que hackers turcos encontrem uma maneira de invadir e alterar o sistema manualmente.

Traduzido por Pacto de Varsóvia.


Postar um comentário

0 Comentários