Tu-160 'Cisne Branco': o maior, mais rápido e mais pesado bombardeiro de todos os tempos

20 de março de 2020 The National Interest

Tu-160 'Cisne Branco': o maior, mais rápido e mais pesado bombardeiro de todos os tempos

O bombardeiro mais rápido já construído. O maior bombardeiro já construído. O bombardeiro mais pesado já construído. Todos esses apelidos se referem ao Tupolev Tu-160, “Cisne Branco” (nome da OTAN “Blackjack”), uma estrutura herdada da União Soviética que, ultimamente, ganhou uma nova vida.



O mergulho do cisne em direção ao inimigo

Asas de enflechamento variável ​​não estão mais em voga, mas oferecem algumas vantagens.
Asas de enflechamento variável ​​não estão mais em voga, mas oferecem algumas vantagens.

O Tu-160 é externamente um pouco semelhante ao estadunidense Rockwell B-1 Lancer, que estimulou seu desenvolvimento. Ambos têm asas de enflechamento variável, ambos são supersônicos. No entanto, é aí que as semelhanças terminam.

O B-1 Lancer é um pouco menor e é um bombardeiro no sentido clássico. O Tu-160, por outro lado, é usado mais como uma plataforma de armas isolada, na qual mísseis são lançados das portas do compartimento de bombas, enquanto o "cisne branco" acelera a Mach 2+ para a segurança. É o único bombardeiro de projeto soviético que não carrega armas defensivas, embora sua prodigiosa capacidade de carga útil de 40.000 quilogramas possa transportar uma variedade estonteante de armas convencionais e/ou nucleares.


Por que o apelido de "cisne branco" você pergunta? Porque todo o avião é revestido com uma camada refletiva branco brilhante. É proteção para a tripulação. O Tu-160 pode transportar uma carga nuclear, o que, obviamente, cria uma bola de fogo gigantesca e brilhante. A energia térmica das explosões nucleares é enorme e, refletindo parte dessa energia térmica (luz), a tripulação fica pelo menos em teoria um pouco mais protegida do que de outra forma.

Asas de enflechamento variável ​​não estão mais em voga, mas oferecem algumas vantagens. (Confira este Tomcat do F-14 para obter um excelente exemplo de asas enflechadas de forma variável!) Durante o voo em baixa velocidade, como pouso ou decolagem, uma asa reta oferece mais sustentação. Em velocidades mais altas, especialmente na faixa supersônica, uma asa reta causa arrasto desnecessário, e uma asa enflechada abruptamente seria mais eficiente. Daí a capacidade de enflechamento variável do Tu-160, que "desdobra" suas asas em velocidades mais baixas e as "dobra" em voo supersônico.

Uma nova perspectiva de vida

Atualmente, a Rússia está trabalhando para modernizar sua frota de Tu-160 com motores e aviônicos aprimorados.
Atualmente, a Rússia está trabalhando para modernizar sua frota de Tu-160 com motores e aviônicos aprimorados.

Embora não exista uma falha séria de projeto inerente ao Tu-160, uma das sérias desvantagens é o fato de não ser furtivo.

Mas furtividade é difícil. E caro. O único avião furtivo da Rússia, o Su-57 teve inúmeros problemas iniciais e é improvável que entre em produção em série em breve devido a muitos problemas - o baixo custo do petróleo, do qual depende o oscilante orçamento da defesa russa e problemas com o motor que poderão ser difíceis de corrigi-los em breve.


O que fazer quando um novo projeto está sem esperança de funcionar? Volte ao que é testado e aprovado e com uma atualização. Atualmente, a Rússia está trabalhando para modernizar sua frota de Tu-160 com motores e aviônicos aprimorados.

A Jamestown Foundation, uma think tank de pesquisa e análise concluiu sobre a atualização: “A produção de um bombardeiro estratégico Tu-160 modernizado exigirá uma cooperação estreita entre várias fábricas diferentes e a organização de toda uma cadeia de produção - algo que tem sido um ponto fraco na Rússia.”

Pode levar algum tempo até vermos novos bombardeiros voando pela Rússia, furtivos ou não.

Traduzido por Pacto de Varsóvia.


Postar um comentário

0 Comentários