Ninguém jamais derrotou o F-15 Eagle em combate (ou não?)

28 de novembro de 2018 The National Interest

Ninguém jamais derrotou o F-15 Eagle em combate (ou não?)

De acordo com comunicados oficiais da Boeing e da Força Aérea dos EUA, o F-15 Eagle tem uma clara taxa de vitórias/derrotas de 104 para zero. Mas, de fato, forças aéreas oponentes reivindicaram, em quase uma dúzia de casos, abater o icônico caça bimotor.


Todas as reivindicações têm uma coisa em comum. Os requerentes nunca foram capazes de fornecer qualquer evidência para suas supostas vitórias.

Fontes iraquianas afirmaram que em 4 de janeiro de 1991 - 13 dias antes da coalizão liderada pelos EUA lançar a Operação Tempestade no Deserto - caças iraquianos interceptaram uma formação de F-15 israelenses sobre o oeste do Iraque e abateram um dos Eagles perto do complexo da base aérea H-3.


Anos depois, o general-de-brigada iraquiano Ahmad Sadik não apenas repetiu a alegação, mas também insistiu em inspecionar os destroços resultantes. Segundo ele, o F-15 abatido atingiu o chão com tanta força que o maior pedaço de destroços deixado intacto foi a bota do piloto, ainda contendo a maior parte do pé do usuário morto.

Sadik acrescentou que outros destroços foram enviados à inteligência da força aérea iraquiana em Bagdá. E 12 anos depois, em 2003, tropas estadunidenses saquearam o escritório e destruíram os restos do F-15.

Caça-interceptador MiG-25BM da Força Aérea Iraquiana.
Caça-interceptador MiG-25BM da Força Aérea Iraquiana.


A próxima reivindicação iraquiana foi muito melhor fundamentada. Em 30 de janeiro de 1991, dois MiG-25PDS Foxbat da força aérea iraquiana tentaram interceptar um par de Eagles da Força Aérea dos EUA patrulhando entre Bagdá e a fronteira iraniana. Devido a distúrbios atmosféricos, o controle terrestre iraquiano vetorou os dois interceptores para um alvo falso. Um MiG disparou um míssil R-40, que detonou, mas não atingiu nada.

Pouco depois, os mesmos MiG-25 atacaram dois F-15C estadunidenses a leste de Khan Bani Sa'ad. Enfrentando contramedidas eletrônicas severas, o Foxbat líder conseguiu disparar apenas um R-40RD a 20 km. Até então, um dos Eagles disparou dois Sparrows em troca. Vendo o F-15C caindo e acionando as iscas luminosas na tentativa de escapar, o piloto líder iraquiano finalizou com o seu R-40 detonando perto o suficiente para causar sérios danos.


Os dois Sparrows erraram o alvo quando o Foxbat fez uma grande curva para a esquerda em direção ao norte. Destemido, o outro piloto dos EUA disparou três AIM-7M adicionais em rápida sucessão - mas todos os foguetes dos motores dos mísseis não acionaram. O frustrado aviador do Eagle teve que partir para o sul para evitar o segundo Foxbat.

Quando os dois MiG-25 voltaram para a base aérea de Tamuz a oeste de Bagdá, foram quase pegos por outro par de F-15. O último dos três Sparrows disparados contra eles impactou na pista 3 metros atrás do Foxbat, quando ele estava pousando.

Caças F-16A, F-15C e F-15E sobrevoam campos de petróleo em chamas sobre o Iraque durante a Operação Tempestade no Deserto.
Caças F-16A, F-15C e F-15E sobrevoam campos de petróleo em chamas sobre o Iraque durante a Operação Tempestade no Deserto.

Enquanto isso, os radares terrestres iraquianos estavam rastreando a saída do primeiro par de F-15. Os operadores de radar concluíram que um dos Eagles diminuiu sua velocidade ao descer e provavelmente caiu na Arábia Saudita. Do mesmo modo, o piloto líder iraquiano de Foxbat foi creditado com uma provável vitória. Isso foi atualizado para uma vitória confirmada depois que um contrabandista beduíno relatou os destroços de um F-15 enterrado em algum lugar no norte da Arábia Saudita.

Na verdade, nenhum F-15C foi abatido durante esse combate - ou, de fato, em qualquer outro combate aéreo durante a Tempestade no Deserto. A Força Aérea dos Estados Unidos perdeu dois F-15E - um durante a noite de 17 de janeiro de 1991, outro dois dias depois - mas ambos foram creditados pelas defesas terrestres. Não há evidências concretas de que algum Eagle tenha sido abatido em combate aéreo.


Mas, estranhamente, um F-15 quase acabou em mãos hostis. Em algum momento do final de 1990, durante a escalada militar anterior à Tempestade no Deserto, o piloto de um F-15C saudita - aborrecido com a perspectiva de combater outros árabes - desertou para o Sudão com seu avião.

O Pentágono emitiu um aviso a todas as tripulações sobre um possível F-15 rebelde. O caso terminou em questão de dias, graças a uma rápida reação do governo saudita. Dizem que Riad pagou cerca de US$ 50 milhões a Cartum para devolver o caça.

Traduzido por Pacto de Varsóvia.

Postar um comentário

0 Comentários