Quando uma rocha quase afundou o porta-aviões nuclear USS Enterprise

4 de abril de 2020 The National Interest

Uma rocha quase afundou o porta-aviões nuclear USS Entrerprise

O impacto de um navio de propulsão nuclear de 342 metros de comprimento com uma rochedo de 20 quilômetros de extensão é algo extraordinário.


Passe algum tempo no Google Earth, um atlas ou um globo e você verá que a Califórnia, para os povos acostumados ao Atlântico, era de fato o lado mais distante do mundo até o século XIX. O que é agora uma das linhas costeiras mais populosas e com tráfego marítimo da Terra permaneceu pouco conhecida até mesmo pelos marinheiros.


De alguma forma, esse mistério ainda persiste, o navio de guerra mais poderoso do mundo pela primeira vez quase afundou em uma ilha submersa, a 160 quilômetros a oeste de San Diego. Chris Dixon, que descreveu magistralmente a origem do surf em ondas gigantes em seu livro Ghost Wave de 2011, trouxe à tona essa história de marinheiro do encontro da USS Enterprise em 1985 com o Cortes Bank, onde rochas, água e vento colidem para formar monstros marinhos.

As Ilhas Anglo-Normandas do sul da Califórnia compõem o topo visível de uma vasta região montanhosa submersa quase do tamanho de Serra Nevada - a fronteira sul da Califórnia. Chegando de Point Conception até a costa norte da Baja California e se estendendo por centenas de quilômetros até o mar, a Borderland forma uma enorme paisagem de picos, cordilheiras e plataformas de até um quilômetro de profundidade.

Cortes Bank é uma bancada rasa com quilômetros de largura e uma ponta de rocha a alguns metros de profundidade, a Bishop Rock.
Cortes Bank é uma bancada rasa com quilômetros de largura e uma ponta de rocha a alguns metros de profundidade, a Bishop Rock.

As primeiras pessoas a colonizar as Ilhas do Canal durante a última Era Glacial habitaram lugares muito diferentes dos de hoje. O nível do mar, quinze mil anos atrás, era 30 metros mais baixo ou mais. Mamutes pigmeus de apenas um metro e oitenta de altura percorriam a única grande ilha na costa de Santa Barbara, agora composta pelas quatro ilhas do Parque Nacional das Ilhas do Canal.

À medida que o nível do mar subia, a ilha mais remota além de San Clemente submergiu sob as ondas, deixando uma bancada rasa com quilômetros de largura - Cortes Bank - e uma ponta de rocha a alguns metros de profundidade - Bishop Rock. Mas a maior parte da ilha permaneceu, formando um imenso contraforte de milhares de metros de profundidade, posicionada no caminho das ondas que vinham do Pacífico ocidental.


Durante séculos, o único tráfego marítimo regular dos europeus ao longo da costa oeste da América do Norte foram os galeões de Manila, os cargueiros de guerra espanhóis carregados com bilhões de dólares em tesouros que chegavam a Cabo Mendocino em sua viagem para Acapulco, no México.

A maioria dos capitães navegava bem longe do continente e das ilhas para o sul até o século XIX. Então os capitães ianques procuraram produtos e baleias da Califórnia, juntamente com passageiros ansiosos durante a corrida do ouro. Os capitães americanos começaram a perceber coisas estranhas nas águas a oeste das Ilhas Anglo-Normandas. Dois navios sem conexões reais com as características submersas lhes deram seus nomes: Cortes Bank para o SS Cortes e Bishop Rock para o SS Bishop.

Mas a grande bancada rasa realmente deve ter sido nomeada pelo primeiro navio a perceber seus efeitos espantosos: o USS Constitution. Em 5 de janeiro de 1846, quando a guerra se aproximava do México, o Constitution estava cruzando o sul da Califórnia quando os membros da tripulação avistaram uma grande mancha branca de espuma e o rugido da arrebentação. Este é o primeiro registro das ondas que entrariam na história como as maiores já surfadas. Sob certas condições de onda, vento e corrente, o mar se amontoava nas pedras de Cortes Bank e Bishop em montanhas de 24 metros de altura formando tubos perfeitos, cujo rugido podia ser ouvido por quilômetros no meio do mar azul profundo.

Cortes Bank, uma bancada rasa com quilômetros de largura e Bishop Rock, uma ponta de rocha a alguns metros de profundidade.
Cortes Bank, uma bancada rasa com quilômetros de largura e Bishop Rock, uma ponta de rocha a alguns metros de profundidade.

Um dos poucos navios da Marinha dos EUA a rivalizar em fama com o Constitution, o USS Enterprise encontrou Cortes Bank e Bishop Rock em 2 de novembro de 1985. O porta-aviões e sua ala aérea estavam realizando um Exercício de Prontidão Operacional (ORE) em San Diego, e seu piloto, o capitão Robert L. Leuschner Jr., não estava satisfeito com o andamento das coisas.

Ele tinha muito em mente. O ORE envolvido simulou vários ataques aéreos contra alvos defendidos, e o navio precisava se manter ao vento para lançar os aviões e pousar rapidamente. O navegador o alertou para a proximidade de Cortes Bank e planejou uma correção de rumo. Naquele momento, o capitão Leuschner se distraiu com o que se revelou um relato falso de um artilheiro abaixo do convés. Durante os preciosos momentos em que as comunicações e alerta eram restabelecidos, ninguém percebeu a abordagem do porta-aviões contra a bancada rasa.


O impacto de um navio de propulsão nuclear com 342 metros de comprimento com uma rocha sólida de 20 quilômetros é algo extraordinário. A ilha submersa fez um corte de dez metros no lado do casco resistente a torpedos do Enterprise. Três das quatro hélices gigantes foram destruídas e a quilha de bombordo desapareceu.

O gigantesco navio de guerra flutuou para fora da bancada rasa e se endireitou com o nivelamento dos compartimentos estanques; mais tarde, os fuzileiros navais vigiavam os tubarões enquanto os mergulhadores avaliavam os danos. Se a distração e a falta de comunicação navais causaram problemas ao capitão, o treinamento da Marinha colocava o navio fora de perigo em boa ordem.

Outros navios da Marinha dos EUA não tiveram tanta sorte em tais encontros. Em 2005, o submarino de ataque USS San Francisco (SSN-711) atingiu um monte submarino desconhecido na Micronésia e quase afundou. Um limpa-minas destruiu-se em um recife no Mar da China Meridional não faz muito tempo.

O conto de marinheiro do navio e da rocha é uma precaução para todos os bons velejadores.

Traduzido por Pacto de Varsóvia.

Postar um comentário

0 Comentários