Conheça o gigantesco 'Tanque Tzar' da Primeira Guerra Mundial


7 de maio de 2020 The National Interest


Conheça o gigantesco 'Tanque Tzar' da Primeira Guerra Mundial

Em dois anos, o Império Russo não existiria mais e o único protótipo permaneceu atolado em um pântano até 1923, quando foi recuperado para sucata. Embora não houvesse dúvida que ele poderia intimidar soldados inimigos, era simplesmente uma criação impraticável para o campo de batalha moderno.


Mesmo 100 anos depois, a maioria dos tanques desenvolvidos durante a Primeira Guerra Mundial permanece familiar. Mesmo com a falta de torres nos tanques britânico e alemão, os perfis permanecem familiares o suficiente, e é fácil ver como esses veículos pesados ​​evoluíram para os modernos tanques de combate modernos (MBT) de hoje. Porém, havia o Lebedenko russo, ou "Tanque Tzar", que aparece nos anais de equipamentos militares como o veículo blindado mais incomum e provavelmente mais impraticável já criado.


Enquanto os tanques da França, Grã-Bretanha e até a Alemanha utilizavam as conhecidas lagartas, os projetistas russos optaram por rodas gigantes que podiam atravessar rapidamente qualquer terreno. Era um conceito que parece simplesmente estúpido em retrospecto.

Enquanto o tanque alemão  "Maus" de 100 toneladas ainda detém o recorde de maior tanque já criado, o Tanque Tzar não ficou muito atrás em termos de tamanho. Deve-se notar também que este projeto não foi uma tentativa de construir um tanque ainda "maior", pois começou completamente independente dos outros tanques que foram desenvolvidos durante a Primeira Guerra Mundial e, de fato, o Tanque Tzar era realmente o primeiro a ser projetado e desenvolvido - mesmo que não fosse tecnicamente um tanque.

O conceito de um veículo blindado tão monstruoso realmente começou antes mesmo do início da guerra. Foi a ideia enlouquecida de quatro projetistas russos que incluíram Nikolai Zhukovky, Alexander Mikuli, Nikolai Lebedenko e Boris Stechkin. Enquanto os quatro homens foram creditados, era para Lebedenko que o nome sempre esteve ligado ao veículo - provavelmente para o bem e para o mal!

O Tanque Tzar usava dois motores Maybach de 240 cv, que haviam sido recuperados dos zepelins alemães.
O Tanque Tzar usava dois motores Maybach de 240 cv, que haviam sido recuperados dos zepelins alemães.

Motores de Zeppelin


Como observado, não era realmente um tanque no sentido tradicional, mas sim um transporte de canhões de tamanho enorme que se assemelhava a um triciclo com uma pequena roda dupla na traseira e duas rodas raiadas muito grandes com quase nove metros de diâmetro. O par maior de rodas estava preso ao casco, descrito como tendo a forma de um diapasão. O ideia dos projetistas era que este veículo poderia atravessar praticamente todos e quaisquer obstáculos.

Foi originalmente apelidado de "Nepotir", mas logo se tornou conhecido como Lebedenko, ou O Tzar - como o Tzar (ou Czar) Nicolau II da Rússia, que financiou a construção do primeiro e único protótipo depois de ver um modelo muito menor. As várias histórias sugerem que Nicholau ficou impressionado com a pequena versão de brinquedo que foi capaz de escalar obstáculos que incluem vários livros. Lebedenko recebeu 250.000 rublos - cerca de US$ 125.000, uma quantia enorme na época.


Dada a escassez existente no Exército Imperial Russo, o dinheiro poderia ter sido mais bem gasto em quase qualquer outra coisa, mas deve-se lembrar que todo tipo de ideia foi considerado para quebrar o impasse das linhas de frente durante a Primeira Guerra Mundial. O programa original do tanque começou com o comitê de construções que pedia um veículo que pudesse pesar 300 toneladas. Em comparação, o Lebedenko quase podia ser visto como absolutamente prático.


Outro ponto notável é que os desenvolvedores russos ainda foram econômicos na criação do protótipo gigante. Usava dois motores Maybach de 240 cv, que haviam sido recuperados dos zepelins alemães. Em terra firme, eles permitiriam uma velocidade máxima de 18 quilômetros por hora - lenta pelos padrões atuais, mas rápida para os aqueles dias.

O projeto pedia que o casco fosse revestido com blindagem de aço enquanto deveria ser equipado com dois canhões de 76,2 mm, cada um armado com 60 projéteis. Além disso, uma fila de metralhadoras Maxim de 7,62 mm serviria para proteger o veículo da infantaria inimiga. Para manter a besta avançando e operar as armas, era necessária uma tripulação de 15 pessoas.

A construção progrediu rapidamente e o protótipo foi concluído em julho de 1915. No entanto, devido ao peso e tamanho, ele teve que ser transportado em subconjuntos e remontado no local do teste, onde foi constatado que realmente excedia os cálculos em cerca de 50% devido a o uso de metais mais espessos. Tinha nove metros de altura e, ao invés de uma arma de guerra, ele se parecia mais com o triciclo de Paul Bunyan - ainda que bem armado.

O único protótipo permaneceu atolado em um pântano até 1923, quando foi recuperado para sucata.
O único protótipo permaneceu atolado em um pântano até 1923, quando foi recuperado para sucata.

Abandonado em um pântano


Apesar do aumento de peso, os testes começaram bem, e o veículo foi capaz de se mover em terreno firme e até esmagou uma árvore como se fosse um galho. Então atingiu um trecho de terra fofa e as rodas traseiras duplas menores ficaram presas em uma vala. Os motores mostraram ser pequenos demais e não tinham força suficiente para liberar o gigantesco veículo.

Dois dos projetistas, Mikulin e Stechkin, foram encarregados de desenvolver motores mais potentes, mas o trabalho nunca foi concluído. Os militares notaram inúmeras falhas - além dos custos, o veículo foi considerado muito vulnerável ao fogo da artilharia inimiga. O projeto foi abandonado no momento em que os construtores britânicos desenvolveram o Little Willie, o primeiro protótipo de tanque, que era muito menor, mas mais adequado para o campo de batalha moderno.


Em dois anos, o Império Russo não existiria mais e o único protótipo permaneceu atolado em um pântano até 1923, quando foi recuperado para sucata. Embora não houvesse dúvida que ele poderia intimidar soldados inimigos, era simplesmente uma criação impraticável para o campo de batalha moderno.

Traduzido por Pacto de Varsóvia.

Postar um comentário

0 Comentários