MiG 1.44, a primeira tentativa da Rússia para um caça de quinta geração


29 de maio de 2020 The National Interest


MiG 1.44, a primeira tentativa da Rússia para um caça de quinta geração


Em 1979, o alto comando soviético determinou que era necessária uma nova geração de aeronaves de combate para garantir a competitividade da Força Aérea Soviética (VVS) nos anos 90 e além. O momento não poderia ter sido mais adequado; somente alguns anos depois a força aérea dos EUA começava a pesquisar e desenvolver o que se tornaria o altamente eficiente caça F-22.

O projeto, que ficou conhecido como MFI ou "Multifunctional Frontline Fighter", estabeleceu um conjunto importante de critérios que correspondiam aproximadamente ao entendimento soviético e russo do que seria um caça de quinta geração: super manobrabilidade, capacidade de supercruzeiro (velocidades supersônicas sustentadas sem o uso de pós-combustão), seção transversal de radar baixa, sistema aviônico integrado e capacidade de pouso/decolagem substancialmente melhorada.

O pedido de compra foi entregue ao fabricante de aviões soviético Mikoyan em 1983. Após uma longa experiência com vários esquemas aerodinâmicos, Mikoyan acabou adotando um projeto de asa delta para distinguir seu caça dos esquemas de asa de asas de geometria variável do fabricante de aviões rival Sukhoi. A rivalidade Mikoyan-Sukhoi estava entre as razões para o eventual fracasso do MiG 1.44, pois a Sukhoi continuou a insistir em que o projeto Su-37 em andamento poderia oferecer um resultado melhor a um custo menor.


MiG 1.44, a primeira tentativa da Rússia para um caça de quinta geração


No final de um processo de pesquisa e desenvolvimento atribulado, a Mikoyan montou um protótipo aprovado pela VVS em 1991. As especificações finais do MiG 1.44 permanecem envoltas em mistério, já que quase todas as especificações conhecidas do caça estavam no estágio de desenvolvimento do MFI. O que se sabe, no entanto, é que o MiG 1.44 foi projetado para ser usado com o motor AL-41F, tinha uma velocidade de aproximadamente 1.500 km e alcance de até 4.500 km, doze cabides internos e oito externos e era compatível com quase todo o conjunto de mísseis ar-ar soviéticos Kh, KAB e R-73/R-77. Não há informações confiáveis sobre a qualidade da aviônica "integrada" e as capacidades furtivas do MiG-1.44, dois de seus critérios de projeto mais cruciais.

Como em muitos projetos militares soviéticos ambiciosos da década de 1980, o colapso soviético impôs um grau inaceitável de tensão ao orçamento já apertado da Mikoyan. O governo russo recém-formado arquivou o programa IMF após um breve período de testes em 1994, citando preocupações com custos e cancelou o programa em 1997.

Ainda não estando pronto para admitir a derrota, Mikoyan conseguiu produzir e testar um protótipo funcional do MiG-1.44 em 2000. O voo de teste revelou uma série de deficiências de desempenho ocultas e problemas de engenharia, levando o Kremlin a colocar o último prego no caixão do MiG 1.44. O programa de caça de quinta geração da Rússia teve que ser relançado desde o início com o projeto T-50 da Sukhoi (agora conhecido como Su-57), resultando em um enorme desperdício de 15 anos em pesquisa e desenvolvimento.

O nascimento atribulado do MiG-1.44 e sua morte ainda mais dolorosa são uma excelente ilustração dos perigos inerentes ao principal desenvolvimento de equipamento militar, onde décadas de trabalho caro em pesquisa e desenvolvimento frequentemente dão em nada. Mas também pode ser visto como uma história de potencial não realizado; se o complexo industrial militar soviético tivesse voltado ao programa IMF em um estágio anterior, as falhas do MiG 1.44 poderiam ter sido reveladas muito mais cedo ou evitadas por completo.

Traduzido por Pacto de Varsóvia.

Postar um comentário

0 Comentários