O caça furtivo russo Su-57 poderá em breve ter um robô no cockpit


19 DE MAIO DE 2020 Popular Mechanics

O caça furtivo russo Su-57 poderá em breve ter um robô no cockpit

O novo caça furtivo Su-57 da Rússia está passando por testes não tripulados. O Sukhoi Su-57, codinome "Felon" pela OTAN, é um grande caça furtivo bimotor na mesma classe do F-22 Raptor da Força Aérea dos EUA. A alegação pode muito bem ser verdadeira, mas deve ser tomada com uma dose de cautela.


Segundo a RIA Novosti, um ramo dos serviços de mídia estatais russos, o Su-57 está voando sem tripulação em um local não revelado na Rússia. Novosti cita uma fonte anônima que afirma que o caça está voando com um piloto, mas o piloto está apenas monitorando os sistemas da aeronave.


O Su-57 foi projetado para desempenhar funções ar-ar e ar-terra. A aeronave é o primeiro caça furtivo da Rússia, com uma seção reduzida de radar nas visões frontal e lateral. O Su-57, juntamente com o F-22 Raptor dos EUA, o F-35 Joint Strike Fighter e o chinês J-20 é o chamado "caça de quinta geração", misturando velocidade, furtividade e armas e sensores avançados.

O relatório da RIA Novosti é problemático - não apenas vem de um canal de notícias controlado pelo governo estatal russo, mas a fonte real permanece anônima. Normalmente, aeronaves pilotadas modificadas para missões autônomas exigem a instalação de equipamentos para manipular remotamente as armas, sensores e controles de voo. O Su-57 é uma aeronave de assento único e, se houver um piloto sentado, não há espaço para esse equipamento. O Su-57 usado para testes não tripulados é uma variante de dois lugares ou a aeronave é controlada remotamente via software.

A Rússia prevê que o Su-57 e o S-70 trabalhem juntos em tempo de guerra como uma equipe.
A Rússia prevê que o Su-57 e o S-70 trabalhem juntos em tempo de guerra como uma equipe.

O setor de aviação da Rússia fica para trás dos outros no desenvolvimento de aeronaves de combate autônomas, mas Moscou está tentando alcançá-los. No ano passado, foi lançado o drone de ataque S-70 Okhotnik ("Caçador-B"). A Rússia prevê que o Su-57 e o S-70 trabalhem juntos em tempo de guerra como uma equipe, com o Su-57 limpando os céus enquanto o S-70 realiza ataques contra as forças inimigas no solo. Alternativamente, o S-70 poderia atuar como um ala robótico do Su-57 pilotado.

O Su-57 foi revelado pela primeira vez em 2010, com seu anúncio surpreendendo o mundo. A mídia estatal russa se vangloriava de que as Forças Aeroespaciais Russas receberiam 144 "criminosos" até 2012. Na realidade, problemas de desenvolvimento e financiamento forçaram Moscou a acionar repetidamente os freios no programa, a tal ponto que Índia, o parceiro de desenvolvimento, saiu do programa. A Sukhoi entregou apenas 13 jatos, todos os protótipos e modelos de pré-produção. A empresa deve começar a produção em série este ano com 76 Felons, mas com uma década de promessas e atrasos, é melhor esperar para ver.


Moscou definitivamente quer que você acredite que o Su-57 está voando sem piloto, mas o momento também é suspeito. Por exemplo, o presidente russo Vladimir Putin revelou seis novas armas nucleares em março de 2018, armas que realmente se tornaram reais. O Exército russo deveria ter 2.300 novos tanques de batalha T-14 Armata novinhos em 2020, mas provavelmente tem menos de 50 em serviço.

O Su-57 não tripulado pode estar voando na direção certa, mas quando irá aterrissar com as Forças Aeroespaciais da Rússia é uma incógnita.

Traduzido por Pacto de Varsóvia.

Postar um comentário

0 Comentários