Com mais um problema, o F-35 Lightning II está proibido de voar perto de raios

24 de junho de 2020 Defense News

https://www.armytimes.com/resizer/IH68Yu9qZor3AGFVyeZDs-tSBv8=/1200x0/filters:quality(100)/cloudfront-us-east-1.images.arcpublishing.com/mco/GEMRXGA76VFMNJNXGLG4XVJG4U.jpg

A variante mais amplamente usada do F-35 Joint Strike Fighter atualmente não poderá voar em tempestades após a descoberta de danos a um dos sistemas que ele usa para proteger-se de raios, disse quarta-feira seu principal contratado, a Lockheed Martin.

Para voar com segurança em condições onde há relâmpagos, o F-35 conta com o Sistema de Geração de Gás Inerte a Bordo (OBIGGS), que bombeia ar enriquecido com nitrogênio nos tanques de combustível para inertá-los. Sem esse sistema, o jato poderia explodir se atingido por um raio.

No entanto, foram descobertos danos a um dos tubos que distribuem gás inerte ao tanque de combustível durante a manutenção de rotina de um F-35A no Complexo Logístico de Ogden, na Base da Força Aérea de Hill, em Utah, disse a Lockheed em comunicado.

A Lockheed interrompeu temporariamente as entregas do F-35 de 2 a 23 de junho, pois a empresa validou se estava instalando corretamente os sistemas OBIGGS. No entanto, "parece que essa anomalia está ocorrendo em campo após a entrega da aeronave", disse a Lockheed em um comunicado.

A Lockheed já havia entregue dois F-35, disse o porta-voz da empresa, Brett Ashworth.

Como não é possível confirmar que o sistema OBIGGS funcionaria corretamente se o jato fosse atingido por um raio, o Escritório Conjunto do Programa F-35 optou por instituir restrições de voo.

"Como medida de segurança, o JPO recomendou aos comandantes da unidade que implementassem a restrição de voo com raios para o F-35A, que restringe o voo a 40 km de raios ou trovoadas", disse a Lockheed. "Estamos trabalhando com o JPO (Joint Program Office) do F-35 em uma investigação de ação corretiva de causa raiz para determinar as próximas etapas."

O problema parece afetar apenas a variante do F-35A de decolagem e pouso convencionais, usada pela Força Aérea dos EUA e pela maioria dos clientes internacionais. O projeto OBIGGS é um pouco diferente na variante de decolagem curta e aterrissagem vertical do F-35B devido ao ventilador de elevação da aeronave, e o problema não foi observado em aeronaves F-35C de decolagem e aterrissagem em porta-aviões, disse Ashworth.

A Bloomberg, que obteve um memorando da JPO de 5 de junho, relatou que dutos defeituosos foram encontrados em 14 dos 24 modelos "A" inspecionados.

O JPO não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Para um avião apelidado de "Lightning II", os sistemas de proteção contra raios do F-35, ironicamente, tornaram-se um problema embaraçoso algumas vezes para o jato ao longo de seu desenvolvimento.

O F-35 foi proibido de voar a 40 km de raios no início de 2010, depois que o testador de armas do Pentágono descobriu deficiências no sistema OBIGGs original para obter gás inerte suficiente nos tanques de combustível. Essas restrições foram revogadas após a reformulação do OBIGGS em 2014.

Traduzido por Pacto de Varsóvia.

Postar um comentário

0 Comentários