Imagens de satélite revelam novo radar russo de longo alcance no Ártico

Imagens de satélite revelam novo radar russo de longo alcance no Ártico

A Rússia continua a atualizar a infraestrutura militar de suas bases árticas. A base aérea de Rogachevo na Terra Nova (Novaya Zemlya) agora apresenta uma nova instalação de radar além do horizonte e sofisticados mísseis antiaéreos S-400.

Durante grande parte da década passada, a Rússia reativou e expandiu as bases e a infraestrutura militar ao longo de sua fronteira norte. No início deste ano, o High North News publicou um relato detalhado utilizando imagens de satélite para destacar alguns desses desenvolvimentos e ajudar a visualizar a escala dos investimentos.

Nesta peça de acompanhamento, o HNN destaca a construção de duas grandes instalações de radar no Ártico , chamadas Resonance-N, e o estacionamento dos sistemas de defesa aérea mais avançados do país, o S-400, em três bases militares em toda a região. A instalação do Resonance-N faz parte de uma nova geração de radar além do horizonte capaz de detectar e rastrear alvos hipersônicos a uma distância de mais de mil quilômetros. As novas instalações de radar funcionam em conjunto com o mais sofisticado sistema de defesa aérea da Rússia, o S-400. Três desses sistemas foram instalados no Ártico.

As imagens de satélite abaixo mostram como a instalação do radar Rogachevo Resonance-N foi construída durante 2019.

Vigilância robusta do Ártico

A Rússia está buscando expandir e aprimorar ainda mais suas capacidades de vigilância, um ponto facilmente confirmado por Ivan Nazarenko, diretor de pesquisa de ressonância, a empresa por trás da nova tecnologia de radar. "A tarefa de todos os radares é proteger a direção norte do Ártico", enfatizou Nazarenko.

Um sistema de vigilância muito robusto é essencial para manter a hegemonia regional e o radar além do horizonte é, sem dúvida, parte desse esforço, explica Rob Huebert, professor associado da Universidade de Calgary e pesquisador sênior do Centro de Estudos Estratégicos e Militares . "Eles conseguiram desenvolver um domínio regional no Ártico que excede o de qualquer outro páis", confirma Huebert. 

A Rússia está trabalhando muito para se tornar a hegemonia do Ártico.
Rob Huebert

Alguns especialistas alertam que grande parte da atividade russa recente é de natureza defensiva, usada para obter conhecimento do domínio sobre a vasta quantidade de território terrestre e oceânico da Rússia no Ártico. “Acho que a primeira coisa é não exagerar. O que os russos estão fazendo não parece tão ameaçador. Isso não está no meio da Europa, está em seu próprio território, lá em cima. E o que os russos estão colocando agora é orientado a tentar manter o controle sobre seu território”, explica Jim Townsend, membro adjunto do Centro de Nova Segurança Americana (CNAS), um think tank baseado em Washington DC.

Olhando além do horizonte 

Ao contrário do radar tradicional, que é limitado pelo horizonte do radar, o Resonance-N pode "olhar" além da curvatura da Terra e detectar alvos a longas distâncias. O radar além do horizonte utiliza sinais de rádio que refletem na atmosfera da Terra.

O princípio básico do radar no horizonte em que um sinal de um grande transmissor salta da ionosfera, atinge o alvo além do horizonte e depois reflete um sinal de eco para uma antena receptora. (Fonte: Charley Whisky na Wikimedia sob CC BY-SA 3.0)
 O princípio básico do radar no horizonte em que um sinal de um grande transmissor salta da ionosfera, atinge o alvo além do horizonte e depois reflete um sinal de eco para uma antena receptora. (Fonte: Charley Whisky na Wikimedia sob CC BY-SA 3.0)

Nos últimos cinco anos, a Rússia construiu três instalações de radar Resonance-N, duas das quais localizadas no Ártico. O sistema foi projetado para detectar e rastrear até 500 alvos que viajam simultaneamente a velocidades de até Mach 20.

O fabricante russo de defesa Rosoboronexport descreve o sistema como um "radar de frequência muito alta com arranjo em fases de alerta antecipado para contra-furtividade", que pode detectar com eficácia uma ampla gama de ameaças aéreas atuais e futuras, incluindo mísseis balísticos e de cruzeiro furtivos e pouco observáveis e veículos aéreos hipersônicos. Também funciona em ambientes severos de contramedidas eletrônicas (ECM).

O sistema Resonance-N consiste em quatro módulos de 100 metros de comprimento dispostos em um quadrado, cada um cobrindo uma seção de 90 graus do céu até uma altura de 100 quilômetros e até 1.100 quilômetros de sitância.

Diagrama esquemático do sistema de radar Resonance-N a partir do depósito de patentes na Rússia. (Fonte: Google Patents)
Diagrama esquemático do sistema de radar Resonance-N a partir do depósito de patentes na Rússia. (Fonte: Google Patents, link )

Duas Resonance-N no Ártico

Duas instalações Resonance-N estão agora ativas no Ártico. A primeira está localizada no distrito de Zapolyarny, a cerca de 500 quilômetros a sudeste de Murmansk. A construção foi concluída em 2014 e o sistema está operacional desde pelo menos 2018. 

O segundo radar foi entregue às forças da Frota do Norte na semana passada. "A estação de radar Resonance-N está instalada em Novaya Zemlya. É ligada, sintonizada, passou em todos os testes, aceita pelos militares e está pronta para intervir em alerta como parte da frota do norte", disse Nazarenko.

Localização de bases militares russas selecionadas, incluindo radar Resonance-N e instalações antiaéreas S-400. (Fonte: trabalho do próprio autor)
 Localização de bases militares russas selecionadas, incluindo radar Resonance-N e instalações antiaéreas S-400. (Fonte: trabalho do próprio autor)

As imagens de satélite abaixo mostram a instalação de Ressonância-N do distrito de Zapolyarny entre 2012 e 2018.

S-400 estacionado no Ártico

Além das novas instalações de radar, a Rússia também começou a instalar seu sistema de defesa aérea S-400 em todo o Ártico. A Base Aérea Rogachevo em Novaya Zemlya recebeu o sistema no início deste ano. Outros batalhões da frota do norte que operam o sistema estão localizados em Murmansk e perto de Tiksi no mar de Laptev. 

De acordo com os militares russos, todas as bases do Ártico, incluindo a Base Aérea de Nagurskoye e a Base Aérea Temp, serão equipadas nos próximos anos com esta tecnologia mais recente, como parte do esforço para proteger o espaço aéreo sobre a Rota do Mar do Norte. Especialistas militares ocidentais veem amplamente o S-400 como um dos sistemas de defesa aérea mais avançados disponíveis.

Instalação de radar móvel perto da Base Aérea de Nagurskoye. (Fonte: Ministério da Defesa da Federação Russa)
 Instalação de radar móvel perto da Base Aérea de Nagurskoye. (Fonte: Ministério da Defesa da Federação Russa)

Em que ponto a tecnologia defensiva termina e os recursos ofensivos começam?

“Diante disso, esses novos sistemas russos pareceriam defensivos. Mas, por outro lado, se eles tomarem uma ofensa contra um vizinho do Ártico, torna-se difícil para o Ocidente reagir diante dessas capacidades russas. É por isso que um sistema defensivo em conjunto com um sistema ofensivo pode fornecer uma capacidade ofensiva geral. Com efeito, é isso que costuma ser chamado de espada e escudo”, alerta Huebert. 

Do outro lado do Atlântico, os EUA e o Canadá estão agora finalmente iniciando discussões sobre os esforços para modernizar o sistema de alerta do Norte de 1985, conhecido como linha DEW durante a Guerra Fria. "Neste ponto, o Ocidente ainda está tentando recuperar o atraso", diz Huebert.

Um radar ainda maior para o Ártico

Os esforços da Rússia para obter uma vigilância completa sobre seu território no Ártico provavelmente continuarão além do sistema Resonance-N. No início deste mês, o país ativou o primeiro de uma geração ainda maior de sistemas de radar além do horizonte, chamado "Container". A instalação gigantesca consiste em 144 antenas espalhadas por 1.300 metros e está localizada a 500 quilômetros a sudeste de Moscou, perto de Kovylkino, fornecendo até 3.000 quilômetros de vigilância por radar em um raio de 180 graus em direção à Europa. O próximo sistema deste tipo está planejado para o Ártico.

O radar no horizonte do contêiner perto de Kovylkino. (Fonte: Ministério da Defesa da Federação Russa)
O radar no horizonte do contêiner perto de Kovylkino. (Fonte: Ministério da Defesa da Federação Russa)

"É possível desenvolver ainda mais o controle sobre o Ártico. É com isso que estamos lidando atualmente e esta tarefa está sendo ativamente considerada", explicou Mikhail Petrov, projetista-chefe do Conteiner, segundo a TASS.

“Estadunidenses, chineses e russos estão desenvolvendo mísseis de cruzeiro hipersônicos. Para detectar um míssil de cruzeiro hipersônico, é necessário ter uma combinação tanto de sistemas de satélite melhorados e de radares além do horizonte. Portanto, está claro que os russos estão levando essa ameaça muito a sério”, conclui Huebert.

Traduzido por Pacto de Varsóvia.

Postar um comentário

0 Comentários