Rússia está aos poucos fortalecendo sua Marinha para voltar a ser uma força global

2 de junho de 2020 The National Interest

EUA estão preocupados com fortalecimento da Frota do Pacífico da Rússia

Embora a Marinha da Rússia tenha se tornado uma força de combate regional menor - e ainda bastante mortal - nos últimos anos e meses, ela se esforçou seriamente para reforçar e modernizar suas frotas de maneira lenta mas metódica.

Embora a Marinha da Rússia tenha se tornado amplamente uma força de combate regional menor - mas ainda bastante mortal - nos últimos anos e meses, ela se esforçou seriamente para reforçar e modernizar suas frotas de maneira lenta mas metódica. Nos últimos meses, a Rússia fez grandes progressos na modernização de sua frota do Pacífico, que receberá 15 novos navios de guerra e embarcações de suprimento que operarão no Extremo Oriente até o final de 2020.

A reconstrução da frota do Pacífico tem sido uma prioridade para a Rússia, que continua enfrentando muitas das mesmas questões e problemas náuticos que atormentaram a União Soviética. Embora a Rússia tenha herdado uma frota maciça e moderna de navios de superfície e submarinos, a Federação Russa não conseguiu manter essa frota. Isso incluía a Frota do Pacífico, que no início dos anos 90 estava no auge de sua força. Operava várias centenas de navios de guerra, pequenas embarcações e submarinos. Tinha um alcance que se estendia aos oceanos Pacífico e Índico.

Com o colapso soviético e a crise econômica dos anos 90, a frota tornou-se um cemitério de navios de guerra - e por 20 anos havia recebido apenas uma nova embarcação, um barco de mísseis.

Embora seja improvável que ela em breve torne-se a força mais poderosa em mar aberto, os esforços para restaurá-la para algo semelhante à sua antiga glória já estão em andamento. Uma diferença de antes e de agora é que a força de superfície da Frota do Pacífico estará cada vez mais armada de fragatas, corvetas e pequenos navios de mísseis.

Entre as 15 novas embarcações que ingressarão na Frota do Pacífico estão o submarino diesel-elétrico Pertropavlovsk-Kamchatsky do Projeto 636.3
Entre as 15 novas embarcações que ingressarão na Frota do Pacífico estão o submarino diesel-elétrico Pertropavlovsk-Kamchatsky do Projeto 636.3.

Entre as 15 novas embarcações que ingressarão na Frota do Pacífico estão a corveta Gremyashchy do Projeto 20385, o submarino diesel-elétrico Pertropavlovsk-Kamchatsky do Projeto 636.3, o limpa-minas Yakov Balyaev do Projeto 12700, um barco de contraterrorismo Raptor da classe 03160, o rebocador marítimo Andrey Stepanov e dois botes de resgate do Projeto 23040.

Em novembro passado, a corveta Gromky da Rússia passou por uma série rápida de testes consecutivos no mar do Japão. É a sétima embarcação a ser construída como parte da nova série Steregushchiy da Rússia , encomendada especialmente para servir na Frota do Pacífico na Rússia. A Marinha Russa anunciou planos para estabelecer um total de 13 navios dessa classe de corvetas até 2021.

Além dos navios de superfície, a frota será apoiada por uma força submarina cada vez mais poderosa. No mês passado, o Comandante-Chefe da Marinha Russa, Almirante Nikolai Yevmenov, anunciou que em breve a Frota do Pacífico se juntará a seis submarinos diesel-elétricos do Projeto 636.3, informou a mídia estatal.

"No curto prazo, as forças submarinas da frota do Pacífico receberão uma série de seis submarinos diesel-elétricos do Projeto 636.3 atualmente em construção no estaleiro Admiralty em São Petersburgo", disse o chefe da Marinha em um telegrama de felicitações por ocasião do o 289º aniversário da frota do Pacífico na Rússia, de acordo com relatórios da TASS.

Os submarinos foram atualizados com novos sistemas de suporte de vida para operações no Extremo Oriente, enquanto a TASS também informou que há planos de armar ainda mais a força submarina da Frota do Pacífico com submarinos de quarta geração movidos a energia nuclear, mas também para desenvolver a infraestrutura costeira das bases dos submarinos.

Yevmenov disse que a força de combate fez "contribuições inestimáveis" ao povo russo e anunciou que as corvetas da classe Karakurt do Projeto 22800 se juntarão à frota
Yevmenov disse que a força de combate fez "contribuições inestimáveis" ao povo russo e anunciou que as corvetas da classe Karakurt do Projeto 22800 se juntarão à frota.

"Os trabalhos continuarão a atualizar os grandes navios de guerra antissubmarino do Projeto 1155 e os submarinos multiuso dos projetos existentes", acrescentou Yevmenov. "A vida útil desses navios e submarinos tem um grande potencial de atualização e será usada".

As reformas militares da Rússia já fizeram grandes progressos com suas frotas do Mar Negro e do Báltico, bem como com a flotilha do Cáspio. Além disso, vários submarinos e navios de guerra foram entregues à frota do norte.

Em uma mensagem para seus marinheiros para marcar o Dia da Frota do Báltico, Yevmenov disse que a força de combate fez "contribuições inestimáveis" ao povo russo e anunciou que as corvetas da classe Karakurt do Projeto 22800 se juntarão à frota, enquanto quatro dos navios também serão equipados com sistemas antiaéreos Pantsir-M.

Fragatas do Projeto 22350 e corvetas do novo Projeto 20386, construídas pelo Severnaya Verf Shipyard (Estaleiro Norte) em São Petersburgo, serão a espinha dorsal da força de mar aberto. Não está claro qual desses navios se juntará à frota do Pacífico, mas está claro que a Rússia pretende mais uma vez transformá-la em uma força oceânica e marítima viável e totalmente desenvolvida até o final desta década.

Traduzido por Pacto de Varsóvia.

Postar um comentário

0 Comentários