USAF investiga falha em teste no seu já atrasado programa de míssil hipersônico


https://pbs.twimg.com/media/EPrGXfTXkAMgVtS.jpg

Um míssil movido a scramjet desenvolvido no âmbito do programa conjunto DARPA/US Air Force Hypersonic Air Breathing Concept (HAWC) foi destruído em um recente acidente de teste, revelou o Aerospace DAILY

Acredita-se que o míssil tenha se separado inadvertidamente de uma aeronave B-52 durante um teste de  voo estático, de acordo com fontes familiarizadas com a avaliação. A causa do acidente, que supostamente envolveu uma aeronave do 419º Esquadrão de Teste de Voo da Edwards AFB, Califórnia, está sob investigação.

A Força Aérea enviou perguntas sobre o incidente à DARPA, mas a agência se recusou a fornecer detalhes. "Os detalhes dessas demonstrações de voo são classificados", disse um porta-voz da DARPA.

O Aerospace DAILY informou que peças do míssil testado foram recuperadas após o acidente. A descrição pode sugerir que a carga útil se desprendeu inadvertidamente do B-52 em voo, em vez de durante os testes em solo ou na pista. Também sugere que o acidente ocorreu potencialmente em terra - possivelmente em uma faixa de teste designada, como a Edwards Precision Impact Range Area ou próximo a Naval Air Weapons Station no lago China - em vez de ser durante o trânsito para um ensaio de teste estático ou teste de fogo real sobre a região do Pacífico.  

O acidente aumenta os mistérios que envolvem o status do programa HAWC, que já está vários meses atrasado em relação a um cronograma original que exigia um primeiro voo em 2019. A DARPA selecionou originalmente a Lockheed Martin em 2017 para desenvolver um demonstrador HAWC equipado com um jato de aeronave Aerojet Rocketdyne , tendo rejeitado um projeto alternativo enviado por Raytheon. No entanto, um míssil Raytheon redesenhado impressionou a DARPA, levando a um contrato para uma segunda demonstração de voo em março de 2019.

Em junho de 2019, os executivos da Lockheed e Raytheon estavam otimistas de que os testes de voo estático e de voo livre para ambos os conceitos da HAWC ocorreriam até o final de 2019, mas o final do ano passou sem que nenhum relatório fosse alcançado. Acredita-se que a variante HAWC da Lockheed Martin esteja envolvida no incidente recente.

A Força Aérea também está trabalhando com a DARPA em testes de um demonstrador não-motorizado do Tactical Boost Glide (TBG) e, paralelamente, está testando um protótipo de outro veículo de planeio impulsionado: a Lockheed Martin AGM-183A, arma de resposta rápida lançada a ar, ou ARRW. O teste inicial de voo estático do AGM-183A foi realizado pelo 419º Esquadrão de Testes de Voo B-52 em junho de 2019, mas nenhuma atualização adicional sobre o progresso dos testes surgiu desde então. A Força Aérea disse, no entanto, que planeja comprar pelo menos oito protótipos de ARRW para apoiar testes de voo de fogo real, que deve começar em 2021.

Embora a Força Aérea tenha concentrado os esforços iniciais de desenvolvimento em armas hipersônicas, a USAF procura ampliar seu interesse em sistemas de aspirados além do HAWC. No final de abril, a Força Aérea lançou um estudo de mercado para um míssil de cruzeiro hipersônico, sinalizando interesse em uma continuação operacional de um programa de armas movido a scramjet.

Traduzido por Pacto de Varsóvia.

Postar um comentário

0 Comentários